+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Amor Pronto a Consumir

Vivemos um momento da atualidade muito peculiar. Com isto não digo que seja o pior ou melhor; julgo que, como eu tudo, terá as suas vantagens e as suas desvantagens.

A sociedade reforça o rápido e o instantâneo de tal maneira que tudo parece lento e complicado. Amor tem-se visto em apuros, já que, em tempos de egocentrismo, os sentimentos são dos primeiros a sofrer.

Será que o apelo ao individualismo transformou o Amor em algo que em vez de sentirmos,  consumimos “fresco”, de preferência?

O teu amor em mim

Não será sempre assim, certamente. Porém, à nossa volta, na nossa rede de amigos, nos ícones que admiramos nos media, prolifera uma vertente um tanto narcisista do amor, chamemos-lhe assim.

Cada vez mais ouvimos falar de relações onde o mote é “vamos sem compromisso” e “logo se vê”, que esconde nestas palavras a busca incessante de alguém que sintamos que gosta de nós, que valide quem somos e nos confirme naquilo que pretendemos mostrar ao mundo.

Amar, gostar e admirar passam para segundo plano e representam, em muitos casos uma reação, não ao que o Outro é, mas àquilo que o Outro nos faz sentir.

Reflito um pouco sobre tudo o que pode estar “dentro” desta ideia. Quando deixamos de ver o Outro como alguém único (ou essa deixa de ser a nossa  prioridade na relação), este continua a poder ser amado? Ou apenas consumido, como um produto que nos transmite determinadas sensações?

O parceiro que escolho porque “gosta de mim e me valida”, é apenas um prolongamento da pessoa que eu sou ou quero ser. Eu continuo a estar focada em mim, na minha energia, nas minhas necessidades e nas minhas buscas interiores e exteriores.

É um amor narcisista que deve ser consumido “fresco”, por razões diversas, e uma das quais é porque procuramos sempre o que não temos.

Será que este amor nos pode fazer voar numa grande paixão? Nada é impossível, mas talvez não possa. Este amor é calculado, obedece a critérios e algoritmos que podem, ou não, corresponder (fazer “match”) às necessidades individuais e tão específicas daquele que segue a sua busca, tornando o processo muito pouco instintivo e muito mais “especializado”.

“Amor por conveniência”

Tratamos o Amor como se de um estudo científico se tratasse. Muitas vezes, fazemo-lo porque estamos tão centrados na busca dos afetos que precisamos para nos validar e que parecem combinar com o crescimento e estatuto que desejamos, que agimos como consumidores. E estes examinam o produto, libertando-se de toda a espontaneidade, e analisam os critérios e as revisões dos especialistas.

Há quem o faça por sentir que precisa e quem o faça porque não sente nada.

Haverá quem não sinta nada porque o faz.

Estaremos a voltar aos relacionamentos “por conveniência”? Talvez a conveniência agora seja outra.

Não encontrem nas minhas palavras certezas, profecias ou adivinhação. Em tudo o que escrevo hoje, deixo questões e mais questões, não pretendo deixar afirmações ou generalizações.

Nota: este artigo foi escrito seguindo as regras do novo acordo ortográfico.
Share this article
Shareable URL
Prev Post

Invisíveis

Next Post

Ugly Love (Amor Cruel) – Colleen Hoover

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

O fim do Amor?

Breve texto este o meu de hoje mas que serve mais de reflexão do que outra coisa qualquer. Sobre as notícias que…

Black Mirror

A série da Netflix “Black Mirror” é um exemplo supremo de fantasia televisiva contemporânea. É difícil pensar…

Adoçar a vida

Escolher o lado positivo do caminho da vida, por vezes, é um percurso trabalhoso. Pois implica foco para…