+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

American way

Foi publicado um artigo defendendo que nunca houve uma promessa e, muito menos um acordo assinado, sobre a não expansão da NATO para o leste europeu. O artigo é interessante de se analisar, tanto pelo viés analítico quanto pela proximidade com o discurso oficial sobre a NATO.

O artigo pretende esclarecer que existe legitimidade no expansionismo da NATO em direção ao leste europeu, e que a promessa da não expansão é, na verdade, um mal entendido das elites políticas russas, mais especificamente de Vladimir Putin. A análise é escrita sob a perspetiva norte-americana, porém, descura o que tem sido a história recente da Rússia, seja ela enquanto império ou república soviética1.

Um dos problemas do maniqueísmo é a simplificação de realidades complexas e que têm mais do que uma explicação2. É daqui que advém o problema do bem e do mal, indivíduo e sociedade, civilização e primitivismo. Se, num primeiro momento, a divisão pode ser útil para diferenciar caraterísticas, em momentos posteriores impossibilita a compreensão global do problema. A realidade é muito mais complexa do que uma divisão entre nós e outros ou bons e maus.

Não podemos, todavia, esquecer que a História é escrita e contada pelos vencedores e a União Soviética, fruto do desastre burocrático e pouco realista da sua condição, foi quem perdeu. Um evento político pode ter tantas versões quantas as pessoas que nele estiveram envolvidos. Contudo, a visão distanciada, não apenas do tempo, mas especialmente ideológica é que permite as condições metodológicas de análise.

Um olhar atento às localizações das bases militares dispersas pelo mundo, mostrará que podemos encontrar dois muros: Europa (leste) e Ásia. Se alterarmos a lente de análise, conseguiremos ver que existem cerca de 750 bases militares norte-americanas dispersas por 80 países. Em resumo: os Estados Unidos têm, pelo menos, três vezes mais bases militares do que todos os outros países juntos. Se excluirmos as bases norte-americanas, temos o Reino Unido com 145 e a Rússia que não passa de 30 bases. Contudo, a propaganda oficial enumera países como a China ou a Rússia como o maior perigo mundial. Talvez, olhando pelas lentes de outros países, o tabuleiro se inverta e sejam os Ocidentais quem personifiquem o perigo3.

Não podemos ser românticos sobre como se desenvolvem as relações internacionais, mas, sim, realistas. Cada Estado desenvolve a sua política externa com base em objetivos políticos concretos e que possam incrementar a posição de poder, recorrendo a estratégias económicas ou políticas4.

Afirmar que a invasão russa sobre a Ucrânia se baseia num mito sobre uma suposta promessa, é esquecer a História russa e o contexto político desde a Segunda Guerra Mundial. Se a invasão é condenável, claro que sim. Se a Ucrânia tem direito à sua integridade territorial e independência, sem dúvida. Se existem movimentos de extrema-direita na Ucrânia, sim, à semelhança de qualquer outro país que já esteve na esfera da União Soviética. No entanto, é preciso ter em conta que um evento histórico não acontece subitamente, mas, sim, na sequência de outros acontecimentos.

A política externa norte-americana tem sido constante na forma como atua, independentemente da cor partidária ou da personalidade de quem que ocupa a Sala Oval. Cria-se uma corrente sanitária em volta do “inimigo”, recorrendo a acordos comerciais ou de cooperação militar. Resumindo, esta é a política de contenção usada durante a Guerra Fria, tendo sido adaptada à medida que novos atores desafiaram a liderança dos Estados Unidos da América5.

É esta política estratégia que justifica o número de bases americanas e o sentimento de cerco nos países visados.

O artigo em assunto reflete a tendência geral de olhar para um determinado evento apenas por um par de lentes. Independentemente de ter havido promessas, ou não, de ter havido acordos (in)formais ou não, o que resulta da análise ao contexto geopolítico é o contínuo cerco da Rússia, iniciado no período da Guerra Fria, e da China, sob a bandeira da política de contenção.

Quer haja acordo ou tratado assinado, a realidade mostra que existe um conjunto de infraestruturas militares, nomeadamente, mísseis nucleares estratégicos norte-americanos estacionados na Alemanha ou Itália de que não se fala, mas aquando do transporte do mesmo tipo de mísseis russos para a Bielorrússia causa imediatamente pânico nos meios de comunicação europeus.

O reposicionamento estratégico nuclear da Rússia é uma reação ao crescente cerco efetuado. Ao descontextualizarmos historicamente e sem uma visão geral da realidade, caímos na repetição de informações que não refletem a totalidade de um fenómeno.

1De socialista só teve a designação e algumas inscrições na sua constituição política. Em boa verdade, não é seriamente possível defender a existência de um regime socialista na URSS, Coreia do Norte ou mesmo na China. A URSS foi um regime que degenerou numa preponderância e domínio de elites burocráticas que ocuparam o espaço de poder vago pela estrutura czarista.

2Explicações que não são excludentes, mas complementares para a observação de um dado fenómeno ou facto social.

3Será que os iraquianos ou os palestinianos têm algo a dizer sobre isto?

4O uso militar é, como referiu Clausewitz, a continuação da política por outros meios.

5Por exemplo, a inclinação para o Pacífico no Conceito estratégico da NATO 2022 revela a mudança estratégica para um Pacífico cada vez mais alvo de tensão entre a China e os Estados Unidos.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Ego Sum

Next Post

Mas afinal quem é KAMALA KHAN?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next