+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

A vida começa onde termina a zona de conforto

Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.

Fernando Teixeira de Andrade

 

Ah! A zona de conforto. O nosso refúgio. Local no qual dominamos todas as variáveis ou pelo menos controlamos o caos, pois sabemos onde e como os imprevistos vão ocorrer. Onde a rotina se instala e a margem de evolução diminui.

Procuramos constantemente ambientes confortáveis, seja no trabalho, em casa, nos relacionamentos ou no círculo de amigos. Contudo, a segurança e a comodidade são na verdade inimigas da progressão.

Sempre admirei quem emigra. Tanto os que o fazem por vontade – pela ousadia -, tanto os que o fazem por necessidade – pela capacidade de superação envolvida. Não é fácil abandonar o que conhecemos. Praticar o desapego: material e emocional. Das nossas coisinhas, do nosso ambiente, dos nossos hábitos, das nossas pessoas. Rumar ao desconhecido, ao que nunca vimos e não controlamos ou sequer muitas vezes compreendemos. Exige muito de quem vai. Exige igual de quem fica.

No entanto, acredito que os que descobrem a sua zona de conforto, pessoal e intransmissível, e nunca mais de lá ousam sair ficam efectivamente à margem deles mesmos. São os que ficam presos a um lugar, a um trabalho, a um relacionamento, porque lhes é confortável, porque é seguro. Porque o desconhecido pode ser pior. Porque têm medo. Ou muitas vezes, infeliz e simplesmente, porque têm contas para pagar e família para sustentar. Arriscar neste último caso pode ser a diferença entre ter ou não o que comer e onde morar, mas, em todos os outros casos, não o fazer é morrer por dentro. É sobreviver… cumprir os dias. Um completo desperdício das nossas reais capacidades e um verdadeiro insulto a quem poderíamos ser.

Na verdade, águas paradas nunca fizeram bom marinheiro e o ser humano está feito para se transcender. Para se (re)descobrir e se (re)inventar constantemente. A vida toda. Senão adormece. Mesmo que de olhos abertos.

Expatriar-se é transcender-se. Uma de tantas formas de o fazer. E é tanto uma viagem externa como interna. Pois ao afastármo-nos do nosso “lar” encontramos novos lugares no Mundo, mas também novos lugares em Nós.

Ah! O nosso lar. O nosso refúgio. Local dos ruídos e cheiros familiares, da almofada que o sono não estranha, do “bra off, hair up”, dos defeitos que “já fazem parte da mobília”.

O nosso lar é, nas palavras de Rosa Lobato Faria:

“(…) onde se acende o lume e se partilha mesa

E onde se dorme à noite o sono da infância.

Lar é onde se encontra luz acesa quando se chega tarde,

Lar é onde os pequenos ruídos nos confortam:

Um estalar de madeiras, um ranger de degraus,

Um sussurrar de cortinas.

Lar é onde não se discute a posição dos quadros,

Como se eles estivessem ali desde o principio dos tempos.

Lar é onde a ponta desfiada do tapete,

A mancha de humidade no tecto,

O pequeno defeito do caixilho,

São imutáveis como uma assinatura reconhecida.

Lar é onde os objectos têm vida própria e as paredes nos contam histórias.

Lar é onde cheira a bolos, a canela, a caramelo.

Lar é onde nos amam. “

Se como “lar” este poema – que tem tanto de beleza como de verdade – define lugares, não raras vezes o nosso lar não é onde vivemos, nem onde dormimos ou onde estamos, mas aqueles com os quais nos sentimos “em casa”. Depois há os mais abençoados que têm ambos.

Em todo o caso, às vezes, é preciso ir, mas melhor ainda é ter para onde (ou para quem) voltar.

A autora escreve segundo a antiga ortografia
Share this article
Shareable URL
Prev Post

IberAnime Lisboa 2019

Next Post

Banhos de lua em pernas alvas

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Há dias assim

Há dias em que certas verdades não nos ocorrem, outros há, em que nos batem forte como um autocarro em…