+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

A reconstrução da esperança

O que é que fica quando, sem mais nem menos, perdemos o que construímos numa vida? Como é que se fica quando, subitamente, ficamos apenas com a roupa que trazemos no corpo e a dor da desgraça? Onde encontrar esperança quando tudo à nossa volta é destruição? Talvez a resposta esteja na parceria entre a força de quem tudo perdeu e a de quem ajuda a reescrever a história sobre a bondade e a reconstrução da esperança.

Não há como ficar indiferente quando à nossa volta a vida morre. E não há como avaliar a desgraça alheia, senão passando por elas. Mas há, sim, como fazer com que a vida renasça: pelas mãos da compaixão e da solidariedade. Afinal, vivemos em comunidade e a vida só faz sentido se houver uma corrente de esperança, ateada pela bondade e pelo sentido de responsabilidade social.

Cada um de nós pode ser uma ferramenta essencial na reparação dessa corrente, quebrada pelo desamparo. Se cada um fizer a sua parte, é possível acreditar. E acreditar é ter esperança. E a esperança permite reacender a luz do olhar apagado pela destruição.

Porque todos os dias precisamos de nos alimentar, de dormir, de ter cuidados de higiene e de saúde, de ter conforto, de viver com dignidade, também todos somos chamados ao terreno, para que, cada um à sua maneira e no que tiver ao seu alcance, possa fazer a diferença na vida de quem não pode esperar. Como? Dando o que se pode e conforme se pode. E dar não é desfazer-se do “lixo” que se tem em casa nem tentar encontrar um furo na agenda para ir para o terreno. Dar é oferecer ao outro o que ele precisa no imediato, nem que seja um abraço.

Mesmo que não tenhamos possibilidades de dar directamente, há sempre um ou outro contacto que podemos estabelecer, ou com um amigo, ou com um conhecido, ou com um amigo de um amigo… Fazer parte da corrente é abraçar causas e ir ao oposto da inércia.

O pouco de uns é o muito de outros. Urge fazer renascer a esperança. Fazer o bem sem olhar a quem é uma das razões da nossa existência. A entrega incondicional traz-nos mais em troca do que aquilo que se dá. Acima de tudo, permite-nos sentir que não estamos sozinhos, mesmo que tenhamos ficado sem nada. É o sentido de comunidade que deve ser transversal a qualquer credo. É o sentido de solidariedade que nos deve situar enquanto parte de um todo. É o sentido de responsabilidade que devemos assumir na sociedade. É o sentido de compromisso, connosco e com o próximo, que deve comandar os nossos passos.

Por isso, sem vaidades nem egocentrismos, ajudar o próximo é não só dar oportunidade ao outro para acreditar no que a vida tem de bom, mas também ajudar-nos a nós mesmos a aprender a prática da humildade.

Cada um de nós é uma peça-chave na reconstrução de um mundo melhor.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

A História também se escreve no Feminino

Next Post

Freddie: The Final Act

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Afectos

Todos necessitamos de afecto e sobre isso não existe qualquer réstia de dúvida. Dizer que essa coisa de…

Porque viajamos?

É costume ouvir-se, no quotidiano, falar em viajar, especialmente, em termos de lazer. Também em viagens de…