+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

A poesia do Rap

A Marília tinha 11 anos quando ouviu uma música de rap pela primeira vez.

Tinha 12 anos quando ouviu a sua primeira música de rap português.

E hoje com 32 anos continua a deliciar-se com esta poesia.

Nunca fui uma pessoa de um estilo musical único, eu gosto de vários géneros, sons, vozes. No entanto, sempre que tive de eleger escolhi o “rap tugga” como a minha preferência.

Porquê? Porque é poesia em forma de música.

Porque tem os trocadilhos e as mensagens subliminares mais inteligentes que eu já ouvi!

Porque me faz vibrar!

Em todos estes anos, eu vi o rap ser totalmente desmoralizado. Este era considerado a música dos bairros e dos “chungas”, e por isso, foi tido muitas vezes como marginal. Neste sentido, quem ouvia só podia estar na mesma onda. Eu era uma menina típica, a puxar para “beta”. Então como era possível um “marginal” escrever e cantar músicas que eu gostava de ouvir?

Esta foi sempre a interrogação no rosto daqueles que não entendiam a minha escolha.

Para mim sempre foi a música do pensamento. Mais do que tudo são gritos de alma, reflexões, interiorizações.

Oiçam Boss Ac, Xeg, Valete, Regula, Sam the Kid, X-tense, Dillaz, Jimmy P, Halloween, Sir Scratch, Bob da Rage Sense…e se não gostarem, pesquisem e leiam as letras.

Não estereotipem o rap, sintam-no.

Fica o convite.

Nota: este artigo foi escrito seguindo as regras do Antigo Acordo Ortográfico
Share this article
Shareable URL
Prev Post

Fool Me Once

Next Post

Dumb Money

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Imagine Dragons

Se dermos por nós a cantarolar algum um hit do momento é muito provável que esse hit seja dos Imagine Dragons! O…

É a vida

A marcha apressada, a corrida desenfreada e ridiculamente desequilibrada. Uma mala na mão a ser arrastada como…