+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

A paciência é amarga, mas o seu fruto é doce

A frase é comummente atribuída a Jean Jacques-Rosseau, mas o primeiro registo é atribuído a Aristóteles, encontramos também referencia da frase em Sun Tzu, na sua obra “A Arte da Guerra”.

Para qualquer um destes autores, e como também em muitos outros, era facto assente que, uma vida sem o uso da paciência (moderação, reflexão e juízo) seria uma vida desperdiçada, a pressa, sendo a inimiga mortal da perfeição, produziria resultados catastróficos, que se iriam acumular ao ritmo da velocidade que se imprimiria na vida.

O advento da era digital, trouxe para a humanidade, as ferramentas que permitem maior celeridade, tanto nas decisões, como nas informações, tudo hoje vive à velocidade do byte, sujeitos que estamos, a avalanches de informação, a um ritmo que dificilmente se podem discernir. Muita informação, não significa, porém, bons resultados, especialmente se, nos for removida a capacidade de análise e juízo, retirando a “paciência” necessária para explorar essa mesma informação.

A paciência, ou a reflexão, são também promotores de um sentimento, ou estado de alma, que é, de certa forma, funesta ao Homem, e todos sem excepção procuram evitar, a frustração e a ansiedade. E este conflito interno, é potenciado pelas tecnologias, a vida passou a entrar-nos porta adentro, e não nós a abrir a porta à vida.

Cada vez que fugimos do sentimento de frustração, negamos-mos a capacidade de reflectir sobre o assunto, e saltamos peças e partes do conjunto, que nos podem levar a conclusões precipitadas, ou que no fim da obra, nos frustre, porque não acautelamos a tonalidade certa para o firmamento no quadro que pintamos, a obra está lá, mas não da forma que imaginamos.

Um mundo vive hoje, na velocidade da frustração contínua, negando se a si a virtude da paciência, as peças e as partes não se escrutinam, as obras saem uma completa imperfeição. Não julgo que tenhamos “perdido a paciência”, simplesmente optamos pela via mais fácil, pela dissipação dos estragos no colectivo.

No ano da comemoração dos 50 anos de Abril, era de suma importância, voltarmos a adquirir paciência, e reflectir seriamente sobre as conclusões precipitadas que desse acontecimento ocorreram, em 2026 comemora-se o centenário do fim da I Republica, marcada pelo descalabro económico, pelos elevados custos da nossa participação pífia da I guerra, pelas convulsões sociais e até pelo eclodir da gripe espanhola.

A boa notícia deste amargo de boca que sofremos por negarmos a paciência, e com isso perdemos capacidade de reflexão, de moderação e de juízo, e que tal como 1926, alguém vai ter o de fazer em breve, bem como o colectivo se verá forçado a ser paciente, vai se sentir frustrado e ansioso.

Pode ser que tenhamos paciência para emergirmos das cinzas novamente, mas primeiro temos de entender que, o tempo deve beneficiar o colectivo, e não o colectivo beneficiar o tempo.

De que maneira irá ser beneficiado o colectivo futuro, quando o presente optou pela mediocridade no ensino? Ou pela destruição do SNS e a elevação do sistema privado? Ser paciente requer o esforço de usar o nosso tempo, em prol da geração seguinte, e isso não se edifica optando por usar um acto não reflectido, indo por um caminho fácil.

É por demais evidente, que necessitamos de recuperar a paciência, a reflexão e a moderação, porque o juízo destes últimos 50 anos, desta falta completa de paciência que nos envolveu, demonstram que a suposta pandemia é a prova dada que estamos desprotegidos, que a cleptocracia ocidental disfarçada de democracia morre no leste europeu, e que a excelência dos sistemas curriculares vive no outro hemisfério do mundo, que não este em que nos situamos.

Confundimos paciência com fraqueza ou incapacidade, e isso é um erro capital.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Back to Black

Next Post

A luta para educarmos alguém, para criarmos uma vida não é fácil

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

A Insegurança Social

Ao abrir um folheto da Segurança Social deparo-me com o seguinte texto: “o Instituto de Segurança Social é…

Ao sinal de toque

O início de Setembro traz invariavelmente para todos os anúncios de promoções de material escolar. É prenúncio…