+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

A natureza não falha

Uma das premissas da humanidade é a sua faculdade em ser subjectiva. Essa subjetividade inerente ao Eu é a qualidade que proporciona a dúvida, a incerteza e a constante busca pelo sentido da vida.

Se olharmos pelo prisma do reino animal, através das suas mentes objectivas, características desse segmento da Vida e do Ser (os animais têm Vida e Ser), que não lhes permite, pelo menos de uma forma humanizada, subjectivar acerca do sentido da vida, veremos que animais e humanos, partilham do mesmo sentido da vida, pelo menos em termos absolutos, a sobrevivência.

No reino animal, a sobrevivência é o sentido da vida e não se cinge somente ao prolongar de uma vida, mas, sim, ao perpetuar da espécie. No reino animal a ordem existe, sob a ordem natural das coisas é um estado específico e exclusivo daquele segmento da natureza. Podemos naturalmente discordar, como humanos, claro, mas nunca o poderemos aferir na realidade, para isso necessitaríamos de estabelecer uma comunicação valida com o reino animal.

Darwin desenvolveu, através da observação e estudo do reino animal, “a teoria da evolução das espécies”. Nele podemos aferir a ordem a que se sujeitam as espécies e qual o sentido da vida que essa mesma ordem emana, a sobrevivência do Ser e não do Eu.

A questão que se prende com a definição do Ser possuí várias interpretações. Não considero nenhuma certa, da mesma forma que nenhuma está errada. São os pontos de vista inerentes à subjectividade humana – diferente será provavelmente a definição de Ser no reino animal, objectivo e focado.

No plano geral, é a natureza que concebe todos os meios, recursos e fins da vida, e nada se encontra fora deste círculo de ordem. O Taoísmo representa essa grandeza de forma sóbria, o símbolo Taoísta, as duas serpentes dentro de um círculo, representam a dualidade da natureza, o bem e o mal, ou as duas forças necessárias ao equilíbrio. As duas serpentes, perfeitamente simétricas, representam a luz (ordem) e a escuridão (caos), o círculo representa a finitude do tempo e do espaço, ou as limitações exteriores do Ying e Yang.

Esta representação Taoísta, representa a sua filosofia, o Taoísmo não é uma religião, mas, sim, um sentido de vida individual, o equilíbrio entre a Ordem (a vida em sintonia com a natureza) e o Caos (a descoberta do desconhecido), esse equilíbrio reside na ténue fronteira situado no centro do círculo, exactamente onde se intersectam as duas serpentes lá contidas, a esse equilíbrio, chamo Consciência na vertente humana, Instinto na vertente animal.

A natureza não falha, porque não busca a perfeição

O que é a natureza, se não o todo? E o todo é Caos e Ordem.

Para não falhar, a natureza dotou se dos mecanismos necessários para atingir um estado de imperfeição perfeita, o reino animal é a perfeita imperfeição do sentido da vida, nela vemos a perfeita estratégia, a objectividade e o fim delineado, a continuidade do Ser, por outro lado, o reino do Homem é a imperfeita perfeição do mesmo sentido, no reino do Homem, a estratégia (o planeamento de longo prazo) dá lugar á táctica (o curto prazo), á subjectividade (o dogma da existência pelo prisma individual) e á continuidade do Eu sob a do Ser como fim a atingir.

As forças definem se pelos princípios que nelas se inserem, a Ordem é definida pela estratégia (o grande plano da vida) e pela objectividade (o fim a que se destina), todavia o Caos, define-se pela táctica (o individuo) e pela subjectividade (o EU), em qualquer reino na natureza, essas duas forças naturais estão presentes, e desempenham um papel crucial, a delimitação do tempo e do espaço disponível.

A mesma natureza que detém em exclusivo os meios, os métodos e o objectivo de proporcionar a vida, constitui-se de igual forma detentora dos meios e dos métodos que objectivamente impossibilitam, ou retiram a mesma.

A natureza constitui-se na perfeita harmonia de imperfeições, a simplicidade da ordem natural das coisas é isso mesmo, simples, mas difícil de compreender.

Torna-se especialmente difícil de compreender, quando ao jogo da natureza, se substitui o instinto pela consciência. Aqui, a ordem natural das coisas, sendo ela a lei natural, torna-se, não em um equilíbrio instintivo, mas sim em um desequilíbrio consciente. A subjectividade da mente humana, proporciona ao Ser as escolhas do Eu, o livre-arbítrio comum e específico da humanidade. O reino animal age por instinto (ancestralidade do Ser), o reino do homem age por consciência (o livre-arbítrio do Eu).

Seja qual for a força assumida, ambas designam a mesma fronteira inultrapassável, o círculo que circunda as serpentes, se nasce também morre, e esta realidade, esta imposição unilateral que a natureza nos impõe, é universal.

De qualquer maneira, não passamos de peões no grande tabuleiro da natureza, simples, porém extremamente complexo. Se notarmos, os gatos domésticos, mesmo vivendo isolados de predadores, em ambientes humanizados, utilizam a caixa de areia para fazerem as suas necessidades básicas, não que o façam para agradar ao dono, mas porque o seu instinto assim o obriga. No reino animal o complexo é simples, já no reino do Homem o simples é complexo.

O Homem não procura o sentido da vida do Ser, como espécie, mas percorre o caminho do Caos, em busca do sentido da vida do Eu, enquanto individuo, sendo o Caos o desconhecido, e o desconhecido realça o medo, e o medo do desconhecido é a ignorância, porque se constitui em falta de conhecimento, o Homem, ao contrário dos animais que dominam o equilíbrio pelo Instinto, vive em desequilíbrio porque não dominam a Consciência.

Sendo a consciência a “via verde” para a escolha individual, e o instinto a estrada pré destinada, o complexo é simples no reino animal, a imposição instintiva, e o simples é complexo ao Homem, a consciência e a liberdade de escolha. O Ser é a simplicidade, o Eu é a complexidade.

O Caos é a força dominante do Homem, e quase sempre o foi, optamos foi por nos definir como a Ordem por auto-imposição.

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Festivais de Música de Verão

Next Post

Literacia financeira: Como ser um HCFO?

Comments 1
  1. No entanto, a expressão correcta em tempos pronunciada pelo também polímata Galileu Galilei, parece que foi “Eppur si muove” e não, Eppur si mouve, como refere o autor do artigo.

    Já concluía Charles Darwin que: Indivíduos menos adequados ao ambiente têm menos probabilidade de sobreviver e de se reproduzir; indivíduos mais adequados ao ambiente têm mais probabilidade de sobreviver e mais probabilidade de se reproduzir e deixar seus traços herdáveis para as gerações futuras, o que produz o processo de seleção natural (fato).

    Curiosamente alguns gatos resistem à caixa de areia, contrariando o seu instinto natural ( e não para chatear os donos), apenas por desconfiarem da “integridade” da mesma. É um ser vivo irracional que no entanto parece ser dotado de uma racionalidade de origem misteriosa.

    Vamos fazer amigos entre os animais, que amigos destes não são demais na vida….

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

O Novo e o Renovado

Um novo período começa quando se inicia um novo ano. É uma época em que tudo se renova. Onde as dificuldades do…

Cultura do Estupro

A cultura do estupro não é apenas um conceito abstracto usado no discurso feminista. Pelo contrário, é uma das…