+1 202 555 0180

Have a question, comment, or concern? Our dedicated team of experts is ready to hear and assist you. Reach us through our social media, phone, or live chat.

Portugal arrisca perda irreversível de jovem geração qualificada

As ruas inclinam-se na despedida dos jovens, Lisboa acena-lhes um “até um dia” e Portugal perde uma das gerações mais qualificadas. A taxa de desemprego é assustadora e não cessa de crescer. Segundo o Instituto Nacional de Estatística atingiu, no terceiro trimestre do ano passado, 175 mil pessoas com idades entre os 15 e os 24 anos.

Foi, em tempos, chamada de Geração à rasca, uma geração feita de jovens entre os 21 e os 35 anos que desesperaram na procura de um futuro profissional que lhes permitisse auferir um salário e obter a desejada independência financeira para sair da casa dos pais.

A maioria, porém, tem conseguido pouco mais que as ditas experiências de trabalho em que as empresas mais não pagam que despesas em transportes e subsídio de alimentação. Os próprios, já pouco acreditam num futuro marcado pelo tradicional decurso da vida – comprar casa, ter um filho e construir uma família. Os desejos profissionais e a procura incessante suplantam quaisquer ideias românticas de vida.

Geração qualificadaA idade é propícia a sonhos sem peso e medida e a vaguear pelas ruas infinitas da mente ambicionando cada vez mais, mas as pretensões saem fracassadas. Definem-na como a “década perdida”, com um mercado de trabalho sobrecarregado de pessoas a ocupar postos de pedra e cal, sem perspectiva de oportunidades para os mais novos, os que terminam a licenciatura e estão aptos para trabalhar, são ‘sangue novo’ e fresco capaz de refrescar ambientes. É uma desigualdade entre gerações que priva os mais novos de garantirem, a longo prazo, o conforto da vida.

As tentativas em tornar o mercado de trabalho mais flexível têm sido um fracasso e muitos jovens têm perdido a esperança. Optam por realidades diferentes, por áreas de trabalho que não correspondem à área de formação ou por sobreviver com mesadas dadas pelos pais.

O desemprego tem vindo a crescer nos últimos 10 anos, mas o que hoje mais espanta é a progressão desse crescimento que faz desta década, uma ‘década perdida’.É uma geração acusada de ser demasiado qualificada e está subaproveitada. As habilidades adquiridas não estão a ser postas em prática e muitos jovens optam por emigrar. Partem na conquista de um posto que lhes garanta mais que a sobrevivência ou um mero contrato temporário. E não há que enganar – 30% é o número redondo que assusta os de idade inferior a 25 anos.

A realidades são, porém, antagónicas – o acesso à internet é ainda limitado para muitos alunos e a média de jovens que conclui o secundário é ainda muito reduzida. Comparando com a média europeia de 70%, Portugal atinge pouco mais de 30% de estudantes sem o ensino secundário. A falta de investimento em formação já vem de tempos remotos da altura da Ditadura do Estado Novo. As escolas secundárias eram quase inexistentes e a oferta mais significativa vinha do ensino primário.

Este défice de qualificação foi-se recuperando ao longo dos anos, mas agora outro fantasma acompanhou a evolução dos tempos – a emigração, registou uma vaga de aumento de mais de 20.000 pessoas nos últimos dois anos, segundo dados estatísticos do INE. Agrava ainda mais quando o apelo vem, com franca perseverança, do primeiro-ministro. Pedro Passos Coelho insiste, aos que com distintos cérebros estão a fugir das terras lusas, que se deve fazer provas de maior esforço. As palavras já ecoam porque muitos já seguiram o seu conselho.

É dramática a forma como o estado do País está a afectar os mais jovens, sobretudo porque falamos de uma inactividade involuntária de um País que se está a esvair em dificuldades económicas e sociais e o Fundo Monetário Internacional, nas conclusões da missão a Portugal, alerta que  “um risco de médio prazo é que o crescimento recupera demasiado lentamente para ter um impacto significativo no elevado desemprego, desencadeando a emigração de trabalhadores jovens e qualificados, que poderá ser difícil reverter”.

Imagem de destaque retirada de:  http://virgireverdito.blogspot.pt/2011/01/el-flautista-de-hamelin.html

Share this article
Shareable URL
Prev Post

Um ano de mais sacrifícios para os portugueses

Next Post

Michael, “The Mann”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Read next

Amar pelo seguro

Não há nada mais importante do que o amor. Não há nada mais complicado, mais ardente, mais inexplicável, mais…