ContosCultura

Vou-me embora…

Ele ainda não acreditava que ouvira aquelas palavras ditas por ela. Sabia serem reais e inevitáveis depois de as ouvir, mas não queria acreditar nelas, as evidências estavam lá. O peso que sentia dentro de si era o resultado de uma luta consigo mesmo. Suava e cansava-se, fatigava-se tentando ver uma nova realidade que nascia naquele momento. Uma realidade tangível de tão perto se encontrar.

Fugiu por momentos que não soube compreender. Estava ali, a olhar para lá do horizonte com o sal do mar nos seus olhos. Era um olhar profundo, imenso, como imenso é o mar e a distância que o separa do que olha sem ver. Aquelas imagens para lá do horizonte, as imagens infinitas. Fixou o olhar na linha invisível que separa o mar azul do azul do céu, um e outro, o reflexo um do outro. Para lá do horizonte, via o invisível, memórias, imagens rápidas a fugirem-lhe a cada instante, efémeras, como efémeros são os sonhos. E nítidas, como nítidos os sonhos são.

Sentado na terra castanha, o sol violento aquecia o ar e lentamente ia queimando a vegetação rasteira que o cercava, pintando-a de ouro sem brilho. Por vezes colocava uma mão por cima dos olhos, criando uma sombra que lhe permitia distinguir o céu vazio. Esperava ver um pequeno desenho na grande tela azul, mas por ora, apenas o vazio e a recordação daquelas palavras, “vou-me embora…”.

Logo agora… Pensava para si. Logo agora que depois de tantos sonhos, sentia o ar palpável à sua frente. Mesmo que sem um beijo, sem um toque na mão, sentira-a mais próxima, como nunca antes lhe fora possível sentir. Naqueles dias atreveu-se a sonhar senti-la, a beijá-la no primeiro olhar de uma manhã após acordarem, a tocar o seu corpo de seda tecida pelas estrelas. No arrasto dos seus sentimentos, vieram dias de alegria efusiva por entre genuínos sorrisos. O momento aproximava-se mas depois bateu de frente, forte naquelas palavras, e o sonho adiava-se mais uma vez. Via-se destinado a amar sem a beijar, como as ondas rebeldes do mar calmo que se desfaziam contra as rochas sem tocar a terra, lá em baixo, no fundo da falésia.

Estava agarrado à terra, ali sentado no cimo da falésia. Já não sonhava, apenas recordava. Olhava para o horizonte e recordava a noite em que se conheceram e trocaram os primeiros sorrisos. Revivia no céu azul as vezes que com ela conversara, sobre nada quando nada era tudo, porque tudo era estar ali com ela. Nas ondas do mar, relembrava os altos e baixos da sua paixão que ora crescia, ora esfriava, na medida em que ela se deixava conhecer.

Um avião pintou levemente o céu. Ali ia ela. Sabia-o, sentia-o. Sentia-a dentro de si a despedir-se com aqueças palavras, “vou-me embora…”. O silêncio que se seguiu fez-se ouvir na mais distante cavidade do seu ser. Ela nada mais acrescentou e ele apenas fixou o olhar na sua alma que já começara a afastar-se. O som distante daquele avião ainda ecoava aquela frase. A luz do sol obrigou-o a cerrar os olhos por breve instante. Quando os reabriu, o avião havia desaparecido com ela lá dentro. Aquela grande tela que era o céu à sua frente corrigiu-se apagando aquele traço momentâneo. Ele quis desistir. Não se havia preparado para o vazio que ela criou.

Chorou. Então gritou e saltou. Sentiu o tempo parar nos segundos que se definiram como um adeus. O peso a tornar-se cada vez mais pesado, o olhar preso nos instantes que se seguiam às imagens difusas que passavam pelos seus olhos atordoados. O céu cada vez mais longe, o chão cada vez mais perto. Um estrondo inaudível de uma alma a deixar um corpo. Do cimo da falésia, viu-se a cair e a rasgar-se violentamente contra as rochas lá em baixo. Viu-as ficaram pintadas com o vermelho do sangue. Lá em cima ele não gostou do que viu. Arrepiou-se com aquela imagem que só ele podia ver. Enojou-se com a pintura das rochas e com o sentido do fim que era aquela alma lá em baixo a abandonar-se. Não gostou do que sentiu ao ver-se cair. Então pegou no seu corpo, voltou para o carro e regressou a casa.

O tempo da viagem foi incontável mas chegou, vivo e com a alma intacta.

Tags
Show More

André Araújo

Licenciado em história da arte, é a arte das histórias que me move neste mundo. Os mundos de Homero e de Virgílio, de Kafka e de Marquéz, de Bukowski e de Fante, são onde encontro as palavras que me definem e me atormentam, na contínua aprendizagem pessoal para construir o MEU próprio mundo.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Check Also

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: