Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
Bem-EstarLifestyle

Vou contar-te um segredo:

Tu não és tão importante como pensas.

Pelo menos para os outros. Surpreendido?

Citando Dalai Lama:

“Pouco importa o julgamento dos outros. Os seres humanos são tão contraditórios que é impossível atender às suas demandas para satisfazê-los. Tenha em mente simplesmente ser autêntico e verdadeiro.”

Talvez sejamos o animal mais estúpido à face da terra e, aposto, o que acabei de escrever não te preocupa. Não me conheces e o meu ataque foi generalizado, mas e se a tua mãe passar uma vida inteira a dizer que “és um inútil”. E se o teu chefe te disser que “és um incompetente”. Talvez passeies pelos dias sorrindo, apesar de teres a certeza que és inútil e incompetente. Talvez até deixes de fazer algo que te apaixona, porque já sabes que, por seres inútil e incompetente, jamais terás sucesso.

A questão é que as pessoas que te disseram isso nunca mais se lembraram das palavras que te feriram, já tu… uma semana, duas semanas e continuas a ter a certeza de que és um incapaz. Um verme. As palavras têm um poder avassalador e cravam-se no nosso subconsciente como punhais condicionando, por vezes, toda uma vida.

Se fores inteligente, um dia vais arriscar e perceber que aquelas pessoas estavam erradas. Se arriscaste, parabéns, saboreia a descoberta! Se não arriscaste, desafio-te. É que aquela colega que disse que estavas “gordo” talvez te tenha achado uns quilinhos mais cheio e voltou a lembrar-se de ti apenas no mês seguinte. E tu passaste esse mês inteiro a comer os brócolos que odeias só para estares à altura daquela conquista que, graças à tua insegurança e à tua colega parva, te fugiu enquanto te contorcias à frente dos legumes.

Isto leva-nos ao cliché mais referido de sempre: a vida é curta. Acredito que a maturidade nos traga alguma paz e amor próprio, mas, até lá, metade de uma vida foi comandada por uma multidão de gente que não sabe que, por vezes, o silêncio é uma virtude. Ainda assim, a capacidade de reconhecer que somos donos da nossa vida é uma virtude maior e que não deve chegar apenas com a entrada nos entas. A capacidade de nos libertarmos do julgamento dos outros é um hino à liberdade e o caminho certo na direção da felicidade.

Vive de acordo com os teus valores éticos, caminha com atenção plena, saboreia os pequenos prazeres da vida e ama-te. Assume a responsabilidade pelas tuas escolhas e faz o teu caminho. Constrói a tua história.

Lara Barradas

Vivo com os pés na terra, a cabeça na lua. As palavras correm-me nas veias, pulsantes de emoções e ansiosas por se despenharem sobre uma folha branca. Tentam, desesperadamente, definir o indefinivel: eu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: