Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CinemaCultura

Voemos Sobre O Ninho de Cucos

A votação da qual a enfermeira Ratched fizera depender a visualização do jogo de baseball fora ganha por McMurphy. Por um voto, o jogo seria disponibilizado. Nunca paciente algum do sanatório enfrentara a dominadora Ratched como McMurphy e o pretexto de que a votação havia já sido encerrada nem a própria convenceu. Revoltado, ele senta-se em frente ao aparelho que permanecia vazio e, no momento em que, desalentado, se vê reflectido no visor, apropria-se da emoção do jogo que não podia ver e começa a relatar a ambicionada partida. Da estranheza à comunhão foi um instante, o instante que aqueles homens levaram para constatar serem merecedores de uma vida muito maior do que a que Ratched encerrava com o seu controlo. McMurphy ganhara a votação e o respeito afirmando-se.

O parágrafo resume aquela que é para mim umas das melhores cenas de todos os tempos. A luta nela retratada atravessa todo o filme e mostra-nos como uma vitória simbólica consegue ser tão ou mais eficiente do que a realidade.

Randle Patrick McMurphy, um delinquente reincidente, é internado numa instituição psiquiátrica para aferir da sua sanidade mental. Com o tempo, constata que Ratched, a enfermeira-chefe do sanatório, castra o direito à afirmação e a uma vida digna dos pacientes, aproveitando-se da sua posição para alimentar um poder que não lhe deveria pertencer.

O mal-estar que senti quando vi o filme pela primeira vez – devia ter uns quinze anos – confundiu-se com a incapacidade para entender o alcance da história, em particular do fim. O meu pai bem mo tentou explicar numa conversa sobre “dignidade” em que “era a única hipótese de…” (não digo de quê pois seria spoiler) mas sem sucesso. Lembro-me da Filipa, uma amiga e colega de turma que nessa noite viu o filme em nossa casa com os pais, repetir para a mãe “Mas isto assim não está certo”. Mas estava: dentro do errado, estava certo.

Um hino ao triunfo do espírito humano, à capacidade de afirmação, à luta por fazer valer aquilo em que acreditamos e, no limite, por fazer valer a própria vida, Voando Sobre Um Ninho de Cucos é um filme maravilhoso: uma história poderosa com interpretações a roçar a perfeição, personagens inesquecíveis e uma mensagem que me toca profundamente.

Revi-o duas ou três vezes, a última delas há uns anos na Cinemateca, numa cópia em péssimo estado que nem assim foi capaz de atenuar as lágrimas e os sorrisos que me invadem a cada visualização.

Foi o segundo filme da história do cinema a vencer os cinco principais óscares da Academia (só houve três a alcançar o feito) num tempo em que os óscares e a qualidade andavam de braço dado. E quão merecida foi essa distinção para um filme que continua a resistir “com facilidade” à passagem do tempo.

Tags

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Check Also

Close
Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: