Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CulturaLiteratura

Vem à Quinta-Feira

Podemos (…) assistir a um concerto, que ouvir é a maneira mais pura de calar.

Terça-feira, 25 de Julho de 2017

O jantar foi na Casa do Alentejo. Devíamos estar uns vinte à mesa no aniversário do Vitor quando a Elsa lhe ofereceu um livro de Filipa Leal, poetisa (poeta?) pertencente à nova geração de poetas portugueses (é pouco mais velha do que eu: até que idade cabe a “nova geração”? Se for como as “Avenidas Novas”, para sempre…) e à data eu não fazia ideia de quem ela era (soube depois que, com o Pedro Lamares, faz um programa no Canal 2 chamado Literatura Aqui).

Capa da edição de ‘Vem à Quinta-Feira’ da Assírio & Alvim

Foi nessa terça que Vem à Quinta-Feira chegou até mim. Alguém propôs passar o livro de mão em mão para cada um ler um poema. Nunca chegou a minha vez mas “Portugal”, lido pelo Filipe, chamou-me a atenção…

“O Teu Produto Interno

é Bruto.”

…e quando a ronda poética esmoreceu, pedi para ver o livro. Decidi comprá-lo…

Sábado, 23 de Setembro de 2017

…o que veio a acontecer meses depois no Palácio de Belém, na Festa do Livro patrocinada pelo Presidente Marcelo. Não fazia tenção de comprar nada, sendo conduzido, juntamente com o Sérgio, apenas pela curiosidade.

Comprei-o mal o vi e nessa mesma noite decidi que seria a leitura seguinte.

Porque buscamos no quotidiano uma estrada onde se repita o amor e a casa de algum Verão.

Domingo, 15 de Outubro de 2017

Li-o numa tarde nos Aliados, enquanto esperava a boleia que me traria de volta a Lisboa. E que prazer senti ao encontrar palavras sopradas de tal forma que não só me revi, como o retrato veio acompanhado de uma beleza… poética!

Releio um ou outro poema amiúde e descubro sempre algo.

Escrever muito sobre uma poesia é estragá-la pois a experiência de um poema, para leigos (o meu caso) ou entendidos, é demasiado pessoal para poluir com considerações que são, quase sempre, excessivas. Assim, para sentir algo autêntico, bom mesmo é ler o livro. No entanto…

Quinta-feira, 25 de Abril de 2019

Filipa Leal nasceu no Porto em 1979

…como resumir em poucas linhas as minhas impressões? Não sei… não sou muito de ler nem de escrever poesia: considero-a uma forma de expressão de tal forma elevada que sinto sempre ficar aquém do que ali está para ser explorado, sentido, vivido, chorado, sofrido, rido…

“É tanto o que se pede a um ser humano do século vinte e um.

Que morra de medo e de saudade no aeroporto Francisco Sá Carneiro.

Mas que não chore.”

Aguardo pela Feira do Livro de Lisboa para comprar o mais recente livro da Filipa Leal, Fósforos e Metal sobre Imitação de Ser Humano (título sugestivo!).

Ao reler alguns poemas, passo pel’Os Meus Primeiros Passos em Volta e pasmo ante a coincidência de recentemente me ter cruzado com um desconhecido no aeroporto de Barajas que, perante o que eu estava a ler, iniciou comigo uma conversa sobre literatura, aconselhando-me Os Passos em Volta, de Herberto Hélder! É este o outro livro que tinha decidido comprar na Feira. E afinal já havia tido contacto com ele através de um poema de Vem à Quinta-Feira!

Triste, sensível (é poesia!) e honesta, o equilíbrio que se estende ao longo da obra dificulta a escolha dos poemas… O Mapa? Manual de Despedida para Mulheres Sensíveis? Havemos de ir a Viana? Cinema São Jorge?…

Sábado, 27 de Outubro de 2018

Porque andamos à procura uns dos outros dentro e fora de quem somos e parece que nos desencontramos (…)

Tags

António V. Dias

Tendo feito a formação em Matemática - primeiro - e em Finanças - depois - mais por receio de enveredar por uma carreira incerta do que por atender a uma vontade ou vocação, foi no Cinema, na Literatura e na Escrita que fui construindo a casa onde me sinto bem. A família, os amigos, o desporto, o ar livre, o mar, a serra... fazem também parte deste lar. Ter diversos motivos de interesse explica em parte por que dificilmente me especializarei alguma vez em algo... mas teremos todos que ser especialistas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: