CulturaMúsicaReportagem

Um violino perdido

Decorria o ano de 2011 quando Thanh Tran, vietnamita há muito radicada nos Estados Unidos da América, deslocou-se a casa do ex-marido em Venice Beach, Los Angeles. Ele, Philip Johnson, violinista de 58 anos, esperava a morte. Fora-lhe diagnosticado um cancro no pâncreas e fazia questão de lhe deixar alguns pertences. Talvez por terem sido de ambos ou coisas que ela deixara para trás após o divórcio. Entre esses objectos, havia uma caixa com fechadura de combinação. Era uma velha caixa de um violino que ela acreditou ser aquele especial de fabrico alemão do século XVIII que Philip fora obrigado a vender para pagar dívidas antigas. Mais tarde, Thanh Tran surpreendeu-o ao resgatar o violino por 4500 dólares. Naquele dia, pegou na caixa, levou-a para casa e guardou-a. Philip viria a falecer pouco depois, em Novembro desse ano de 2011.

Quatro anos passaram. Na primavera de 2015, Thanh Tran decidiu fazer profundas arrumações na sua casa, vindo a redescobrir aquela caixa de violino. A curiosidade aguçou-se e com a ajuda do seu actual companheiro, forçou a fechadura da caixa e abriu-a. Lá dentro estava um violino, sim, mas não o esperado. Não era o violino que ela resgatara para ele. Olhou-o com atenção, mas apenas sentiu que ele parecia triste, ali fechado com as suas cordas estragadas.

Mandou avaliá-lo, tentando perceber o seu valor e que violino era aquele. Em Junho desse ano, recebeu o veredicto do avaliador. Ele deu-lhe as duas notícias que respondiam aos seus intentos. Que violino era? Era um Stradivarius, o Amos Stradivarius. Foi construído por Antonio Stradivari e assinado em 1734. Valor? 5 milhões de dólares,

A história do violino leva-nos ao ano de 1943, quando foi comprado por 15000 dólares por Ramon Totenberg, violinista de renome internacional. Em 1980, viu-o pela última vez no seu escritório em Cambridge, Massachusetts. Nesse ano, Philip era aspirante a violinista profissional e assistente de Totenberg. Sabe-se agora que roubou o violino do escritório deste. Anos mais tarde conheceu Thanh Tran e casaram-se, tiveram duas filhas e nem após o divórcio alguma vez ele havia falado daquele violino.

Thanh Tran viu-se obrigada a contactar o FBI para devolver o objecto roubado e, naturalmente, contar o que dele sabia. Resolvido este imbróglio e livre de qualquer acusação, assistiu à cerimónia oficial decorrida em 4 de Agosto do ano passado, quando o FBI devolveu o valioso Stradivarius às três filhas de Roman Totenberg. O famoso violinista faleceu poucos meses depois de Philip Johnson, em Maio de 2012, tinha longos 102 anos de vida.

Este tornou-se no maior lamento da vietnamita, o de não ter chegado a tempo de devolver o instrumento ao seu verdadeiro dono, àquele que, além de ter a sua posse, também o fazia ser violino, tocando-o com a mestria de muitos poucos. Já as filhas de Totenberg revelaram ser intenção restaurá-lo e vendê-lo com a condição de o comprador lhe devolver a vida, ser alguém que faça também cumprir o desígnio para o qual Antonio Stradivari o construiu. Ser tocado e, enquanto tal, encantar as plateias de salas de concerto por este mundo fora.

Tags
Show More

André Araújo

Licenciado em história da arte, é a arte das histórias que me move neste mundo. Os mundos de Homero e de Virgílio, de Kafka e de Marquéz, de Bukowski e de Fante, são onde encontro as palavras que me definem e me atormentam, na contínua aprendizagem pessoal para construir o MEU próprio mundo.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: