CulturaCultura

Um país de ladrilho vidrado

Em Portugal, muitas são as faces de edifícios compostas por placas cerâmicas quadradas, ladrilhos vidrados aos quais se dá o nome de azulejos. O azulejo que, neste país, decora é, também, o azulejo que dá o traço característico aos edifícios tipicamente portugueses. Apesar de não ser um produto original de Portugal, foi neste país que encontrou um solo fértil para a sua expansão.

“Vivemos rodeados de azulejos, no revestimento de fachadas, igrejas, palácios, ruas, jardins, um património riquíssimo que se destaca pela sua qualidade, estilos, temas, texturas, materiais, técnicas, cores e padrões”, diz a investigadora da Rede Temática em Estudos de Azulejaria e Cerâmica João Miguel dos Santos Simões, Joana Bragança. O uso de azulejos para decorar edifícios religiosos e civis atingiu em Portugal uma amplitude desconhecida noutros países.

Os azulejos chegaram a este país, de onde não são originais, com as importações sevilhanas, em meados do século XV, e aqui criaram raízes, tornando-se parte da vida dos portugueses. “Do ponto de vista histórico e artístico fazem parte integrante do nosso património, são um traço marcante da identidade cultural do país e da nossa presença no mundo”, defende Joana Bragança.

Este produto barato, durável e capaz de decorar apresenta três características essenciais, que o levaram à sua expansão, num momento em que não chegava o habitual afluxo de donativos à igreja. Então, recorrer a revestimentos alternativos aos panos e bordados orientais foi a opção tomada, quando Filipe II de Espanha foi coroado rei de Portugal. No entanto, no momento em que foi reconhecida a independência e voltaram os benefícios da prosperidade, os azulejos já tinham garantido um lugar insubstituível nas paredes de edifícios civis e religiosos.

O azulejo entrou em frontais de altar, na arquitectura civil, revestiu escadarias, corredores e salões e até vestiu as casas mais modestas. No século XX, com o desenvolvimento urbano e a introdução de novos equipamentos, como o Metropolitano de Lisboa, chegou às estações, relembrando, a cada um que por lá passa, esta produção original da cultura portuguesa.

Os ladrilhos vidrados são parte da história e da cultura do país. As cores e o design foram mudando, mas a tradição da azulejaria mantem-se presente. Hoje, ainda, há artistas que se inspiram neste produto e que reinventam o azulejo tradicional. A sua paixão pelo azulejo óbvia e toda a sua inspiração parte da tradicional azulejaria portuguesa.

Diogo Morgado é um artista plástico de 32 anos, que “reinterpreta a linguagem visual dos padrões de azulejaria e cria uma nova imagem a partir do seu universo gráfico”, segundo a jornalista do site de informação P3, Filipa Flores. As suas ilustrações dão origem a uma dupla leitura: ao longe vê-se um padrão tradicional, mas ao perto é possível ver monstrinhos, robots, ou ilustrações contemporâneas.

Já a artista Maria D’Almada repara os “buracos dos edifícios”, que resultam da passagem do tempo, ou dos roubos. Copia o azulejo de uma parede inacabada para preencher as falhas. “O formato e a técnica utilizada variam, a essência não. E a arte urbana tem sido o exemplo mais fiel desta reconfiguração de genes”, diz Filipa Flores.

Segundo o Director do Museu Nacional do Azulejo, Paulo Henriques, o azulejo é uma das expressões mais fortes da cultura em Portugal. Hoje, a azulejaria mantem-se viva não só pelos velhos azulejos das fachadas dos edifícios, mas também pelas mãos dos artistas contemporâneos.

Tags
Show More

Marisa Mourão

Estudante de Ciências da Comunicação na Universidade do Minho. É apaixonada por uma boa história. Ainda é das que acredita que os media podem ajudar na construção de uma cidadania ativa.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: