Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
ArtesCulturaLiteratura

Um Marido Ideal, de Oscar Wilde

Primeira experiência na leitura de Oscar Wilde e, francamente, dificilmente poderia ter gostado mais. Embora muito positiva, a primeira frase exprime, também, alguma frustração. Ver esta obra encenada numa peça de teatro, objectivo primeiro de Wilde, seria sublime. No entanto, face à indisponibilidade em assistir, para já, a esta peça, nada melhor do que ler uma obra curta, mas de qualidade elevada.

JM_ummaridoideal_1O número de personagens é pequeno, mas suficiente para pincelar o quotidiano da época, num longo calendário de jantares, bailes e caminhadas. O leitor tem a oportunidade de entrar numa dessas recepções sociais, onde é recebido pela família de um homem respeitado na sociedade, não só pelos seus atributos profissionais, mas, também, pela sua reconhecida integridade. Aqui, de forma satírica, Wilde assume esta personagem como marido ideal. Rodeado da sua esposa, irmã e melhor amigo, Sir Robert vai enfrentar uma questão pendente da sua juventude, no início da sua caminhada política. Oscar Wilde, além de satirizar a imagem paradoxa que um indivíduo pode obter em sociedade, assume questões bastante marcadas na própria contemporaneidade, como a corrupção. De mão dada com esta questão e ao longo de toda a história, o autor satiriza o papel distinto do homem e da mulher na sociedade inglesa.

Nesta curta viagem, repleta de diálogos interessantes, de humor e da personificação da sua filosofia sobre o quotidiano londrino, Oscar Wilde orienta Sir Robert nas piores horas da sua carreira política e profissional. No centro das atenções da família, amigos e inimigos, a nossa personagem principal enfrenta o seu destino de forma, diria, exemplar. Fica a experiência de ler um trabalho tão bem trabalhado para um palco de teatro. Perderá qualidade em formato papel, mas não perde a iniciativa e o contexto. Neste caso, a importância contextual da obra é algo que não pode ser encarado de ânimo leve.

Tags
Show More

João Miranda

Comunicação e Sociologia como formação, escrita como actividade de lazer. Livros e café, uma boa esplanada e amigos, sol no céu vigilante e viagens. Será difícil levar algo melhor da vida do que isto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: