Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
ContosCultura

Um crime que apaixonou um poeta

90 anos foram incapazes de secar as lágrimas que Francisca Morales chorou no silêncio. Um rio de dor que se misturava lentamente com o sangue de Paco Montes. Com o carro parado junto ao fatídico entroncamento, pensou naquela cena real. Leu que fôra ali que o casal foi encontrado enquanto fugia. Ele foi prontamente executado, ela ferida, ousou fingir a morte para dela escapar. Resultou, mas talvez se arrependa agora de a ter fingido.

Ele percorria aqueles locais inóspitos do sul da Andaluzia à procura de uma história sobre uma história que o apaixonava. Seguiu em frente no seu carro, percorrendo lentamente a estrada de pó até chegar ao local da boda. O Cortijo del Fraile surgiu-lhe diante dos olhos vestido de ruína. Paredes frágeis que teimosamente resistem ao tempo tentando perpetuar as histórias e pessoas que por ali passaram. Foi neste local que numa madrugada do verão de 1928, Francisca fugiu com o seu amado primo quando todos se preparavam para as bodas do seu casamento com Casimiro Pino.

Ele procurava e perguntava-se se há 90 anos também estaria aquele calor seco que lhe gretava a pele. Enquanto percorria o perímetro da ruína, imaginava a janela de um quarto a abrir-se, dois seres a esconderem-se na penumbra e a subitamente correram para os campos invisíveis em procura da liberdade e do amor. Acto heróico atendendo se pensarmos nos costumes da época. Mas eles não encontraram a liberdade, foi-lhes negada pelo grupo de homens que tempo depois zarpou, todos eles furiosos a cavalo em seu encalço.

As notícias, reportagens e histórias que ele coleccionou eram unânimes. Naquele grupo de homens seguia um que se se tornaria assassino, um assassino sem nome. A polícia da época jamais conseguiu determinar quem era essa pessoa, protegida por um pacto de silêncio. Francisca também ela pactuou sem o saber mantendo-se firme na alegada incapacidade de identificar um autor do crime.

O que ele ali encontrou foi esse silêncio que ainda perdura nos campos que cercam o Cortijo. Nesse silêncio viu a história a acontecer em frente aos olhos da sua imaginação. Faltava-lhe apenas um capítulo final, chegar a quem imortalizou aquele crime e aquela história de amor.

Deixou as estradas de pó do Cabo de Gata e seguiu para a bela e misteriosa cidade de Granada, nome de fruto cujo sumo é da cor do sangue. E foi nessa cidade que poucos anos após os acontecimentos, encontrou um dramaturgo que os imortalizara para pouco depois sentir também ele o sumo encarnado a ser retirado do seu corpo por tiros de fuzilamento. Ele soube da notícia daquele crime e também apaixonou-se pela história. Usou o seu génio e criou uma obra de arte, uma peça de teatro a que deu o nome de Bodas de Sangue. Ele era Federico Garcia Lorca e a sua memória perdura com a sua obra.

Percorrendo as ruas inclinadas e irregulares do bairro histórico, ele encantou-se com a cidade e depois de encontrar uma história, descobriu nas ruas, becos e jardins imagens e motivos para mais mil e uma histórias. Descobriu onde se apaixonar vezes sem conta. E descobriu-se a si próprio.

Tags
Show More

André Araújo

Licenciado em história da arte, é a arte das histórias que me move neste mundo. Os mundos de Homero e de Virgílio, de Kafka e de Marquéz, de Bukowski e de Fante, são onde encontro as palavras que me definem e me atormentam, na contínua aprendizagem pessoal para construir o MEU próprio mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: