Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
ContosCultura

Truques de bruxa

Fazes questão de beber dos copos que ainda têm os meus lábios lá colados. Em noites antigas mordias-me num quase-beijo, devagar, sem pressa, olhando-me nos olhos e invadindo-me, testando o meu desejo. Agora já sabes beber um copo de vinho como quem reza e transformas as noites numa missa pagã.

Ganhaste o deslumbramento das crianças que ainda têm todos os gestos a nascer, sabes viver com a curiosidade na ponta dos dedos, na pele, nas expressões das sobrancelhas. Já te esqueceste que me tocavas nas palmas das mãos para ler onde tinham andado e que me molhavas no teu cheiro para que eu não soubesse tocar em mais ninguém. Mas sabia. E tocava. Tu sabias bem que sempre tinha tocado.

Davas passos silenciosos para os medos e os pesadelos não acordarem e não aprenderem a seguir-te. Enrolavas-te muda nos meus braços, unhas agrafadas ao meu corpo, segurança fingida que eu nunca te quis dar. Agora já percebes que dançar ao ritmo do coração quando está descompassado é a melhor forma de alinhavar o destino, mesmo quando atrais as incertezas e os receios – também eles te ensinaram novas danças.

Quando eu não estava, o peito doía-te menos se adormecesses a olhar para o lado da cama que não era o meu. Não sabias o que fazer com os pedaços de ti que tinham o meu nome. Mas um dia soubeste descosê-los com cuidado e cortá-los violentamente, em bocados tão fininhos que pareciam pó. Desapareceram com o vento. Como tantas vezes eu o fiz. Agora mal te lembras do sabor agridoce da cura e tens orgulho nas tuas cicatrizes.

A porta abria e eu, de olhos fechados, sentia o calor da tua língua pelo meu pescoço, suave, subindo com languidez, deixando um caminho húmido e arrepiado, parecia que contavas os segredos certos à minha pele, numa calma urgente. Só que não abriste da última vez que voltei. O meu ouvido encostado à porta escutou os teus passos indiferentes. Independentes. Aprendeste esses truques de bruxa na minha ausência e agora ninguém é capaz de te queimar em fogueiras.

Tags

Rosa Machado

Por ser curiosa e fascinada pelo que não compreendo, considero-me uma devoradora de livros e uma criadora compulsiva, seja de contos no papel ou de histórias mirabolantes no dia-a-dia. Adoro animais, fotografia, música e filmes – arte em geral. Perco a noção do tempo com conversas filosóficas sobre nada, longas caminhadas para parte nenhuma, conversas exageradas com os amigos, e séries com ronha no sofá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Check Also

Close
Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: