Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CulturaLiteratura

The Cuckoo’s Calling, de Robert Galbraith

Robert Galbraith é um pseudónimo de J. K. Rowling, escritora da série Harry Potter, que eu considero brilhante e cheia de imaginação. Depois de ter provado à crítica que sabia separar-se da série juvenil, com o seu primeiro romance para adultos Uma morte súbita, prova que também sabe chegar de forma notável ao público dos policiais. A sinopse traz-nos logo água na boca: envolve fama, beleza, dinheiro, suicídio, dúvida e um protagonista com problemas psicológicos e físicos – o que é que há para não gostar?

Robert Galbraith leva-nos lentamente, mas de forma segura, a descobrir os mistérios do mundo de fama, beleza, classe alta, passado duvidoso e dúvidas pessoais em que Lula Landry, a modelo morta, se movia. Tem descrições incríveis da cidade escura e misteriosa que é Londres, das pessoas, que são sempre mil e uma coisas, nunca só uma, das atitudes da classe alta elitista, do mundo da fama e beleza e, muito importante, consegue trazer emoção e realidade ao facto de uma rapariga, uma pessoa, ter morrido. Embora seja ficção, a autora consegue fazer-nos pensar que não é só um personagem, que não é só uma história real que podia ter acontecido a uma qualquer modelo de capa de revista, que está longe e que quase parece irreal. Consegue transportar-nos para o facto de uma pessoa jovem e real ter morrido e isso ser um facto triste e trágico, que merece justiça e verdade.

RM_thecuckooscalling_1

Passo a passo, sempre mantendo em mente que devemos descobrir a verdade, seja ela qual for, vamos tentando perceber o que significa toda a informação que vamos descobrindo, que os pensamentos de Cormoran Strike, o detective privado, e de Robin Ellacott, a sua nova assistente, nos vão desvendando. Fazem uma dupla incrível, com todas as nuances, limites, pensamentos e atitudes de colegas que ainda se estão a adaptar à presença um do outro. Os “cliffhangers” são estupendos, os diálogos, com todos os sotaques e maneirismos, dão uma grande verosimilhança aos personagens e as perguntas certeiras trazem uma imagem muito profissional e credível ao detective.

A mim fez-me ficar colada ao livro um fim-de-semana inteiro até acabá-lo e, no fim, deixou-me com um vazio – mas não por muito tempo, porque o segundo livro da série, The Silkworm, já aí está à venda.

Tags
Show More

Rosa Machado

Por ser curiosa e fascinada pelo que não compreendo, considero-me uma devoradora de livros e uma criadora compulsiva, seja de contos no papel ou de histórias mirabolantes no dia-a-dia. Adoro animais, fotografia, música e filmes – arte em geral. Perco a noção do tempo com conversas filosóficas sobre nada, longas caminhadas para parte nenhuma, conversas exageradas com os amigos, e séries com ronha no sofá.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: