Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
ArtesCultura

Street Arte, a arte do futuro

O conceito de arte urbana tem vindo a ganhar espaço, no panorama artístico. Não que seja expert no tema, mas sou muito observadora.

É engraçado perceber que antes o que víamos aleatoriamente pintado nas paredes, pelas cidades e muros um pouco por todo o lado, aqui em Portugal e no resto do mundo, tem hoje um papel diferente e, acima de tudo, uma motivação diferente. Convidam-se estes artistas para reconverterem paredes e fachadas sem graça em pontos de referência para as populações e para quem as visita. Felizmente, o estigma da marginalidade que sempre se associou à street art, começa a desvanecer.

Em Portugal, temos vindo a acompanhar esta tendência, muito pelo mérito do Vhils (Alexandro Farto) com os seus murais e paredes magnificamente trabalhadas e esculpidas, a projeção da sua arte impulsionou outros artistas de rua a divulgarem o seu trabalho. O movimento de street art cresceu muito também pela divulgação das autarquias, que começaram a convidar estes artistas e a promover concursos para “salvar” paredes vandalizadas e criar espaços mais harmoniosos para os seus habitantes.

Quando vejo os desenhos por aí espalhados, o universo da BD materializado nas paredes das cidades, penso no processo de crescimento que o Festival de Banda Desenhada da Amadora tem tido e a sua importância na projeção e divulgação dos artistas e deste género artístico. Tornou-se por mérito próprio uma referência e uma “incubadora” – como agora se diz – de artistas vocacionados para BD e para a street art.

Por exemplo, na Rinchoa, na freguesia de Rio de Mouro/Sintra tornou-se comum ver-se obras como a que ilustra o meu artigo, com detalhes relacionados com a zona, concelho ou a história local. Ao mesmo tempo que decora um espaço, o desenho é uma representação de uma personagem ilustre da zona, de um monumento ou a figuração gráfica da cultura local. São importantes referências, para educar as pessoas que vivem nos subúrbios desenraizadas e sem se sentirem ligadas ao espaço onde vivem.

No fundo, a periferia ou os subúrbios não são espaços sem vida como a maioria das pessoas fazem crer, são zonas onde proliferam estes novos artistas, onde se procuram formas diferentes de dar a conhecer arte e a cultura locais. Onde se reconverte o triste, feio e sem vida em espaços com luz e cor.

Hajam mais paredes para pintar! Com arte de qualidade e novos talentos a dar mostras do que são capazes de fazer. E porque não tornar a rua num museu a céu aberto? Nunca ninguém nos disse que um museu teria de ser um espaço fechado, pois não?

Foto de: F.Sanz@/Rio de Mouro

Tags
Show More

Sofia Cortez

Licenciada em Comunicação Empresarial pela Escola Superior de Comunicação Social de Lisboa, mestre em Publicidade e Marketing sobre o tema: “As bandas como marcas que constroem os novos mitos: o caso dos THE DOORS e uma pós-graduação em Marketing Management pelo ISEG. Imperfeita, desajeita, chata e cabeça dura. Profunda, taciturna e pensativa mas incapaz de fingir. Aquela que atende uma chamada a qualquer hora. Que tenta a todo o custo não deixar mensagens por responder. Silenciosa mas cheia de vida. Capaz de amar as pessoas mais improváveis e de chorar com as situações mais inusitadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Check Also

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: