Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
ArtesCultura

Somos todos judeus.

No passado dia 27, comemorou-se o septuagésimo aniversário do fim da II Guerra Mundial e da libertação do campo de concentração de Auschwitz.

Esta semana deparei-me com uma reportagem sobre os dados e histórias  de cidadãos de ascendência portuguesa, nos campos de concentração nazi, durante a II Guerra Mundial. Algo surpreendente, mas não inesperado, pois a emigração sempre existiu.

Estamos habituados a pensar nos judeus como uma entidade abstracta, que sofreu muito e de quem temos uma pena abstracta, se não tivermos relações próximas com a comunidade, através de amigos, ou conhecidos. Quando um título apresenta a palavra português, a pena é menos abstracta está mais perto, porque portugueses somos efectivamente. Por qualquer motivo, poderíamos ter sido mortos, fossemos nós judeus portugueses emigrados em França, como o Michael , ou tivéssemos militado no partido comunista e combatido onde achámos que tínhamos feito falta, como o Luiz. Ou apenas por sermos portugueses e sermos considerados inferiores, gastadores, baixos, morenos, estúpidos, analfabetos, ou uma espécie de parente em terceiro grau de um outro primata. É ridículo, mas possível.

Razões não falta para que o poder se sobreponha à compaixão pelo próximo. Os racistas e nazis andam por aí e, se não os combatemos de forma militante, devemos todos os dias fazer valer a nossa opinião e tentar, em vez de julgar, comparar e valorizar (inferiorizar, na maioria das vezes), fazer a apologia da diferença e da aceitação. Esta é uma tarefa de todos, para que genocídios contra judeus, cristãos, muçulmanos, ou ateus se evitem.

rs 06_02

Tags
Show More

Ricardo Jorge

Lisboa, 1978. Licenciado e mestre em Arquitectura pela Universidade de Lisboa, estudou também Design e Ensino das Artes. Paralelamente a estas áreas desenvolve trabalho em Ilustração e Desenho com exposições regulares em Portugal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Check Also

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: