HistóriaSociedade

“Selfie”: uma das palavras do ano de 2013 será assim tão actual?

De acordo com os dicionários Oxford, a palavra selfie foi considerada como a palavra do ano de 2013, em Novembro desse mesmo ano. A palavra evoluiu de uma etiqueta de um nicho das redes sociais para o conceito genérico de um auto-retrato fotográfico. O dicionário em questão define-a como a fotografia tirada por si própria, através de um telemóvel inteligente, ou de uma câmara incorporada num computador e disponibilizada na internet numa rede social online [“a photograph that one has taken of oneself, typically with a smartphone or webcam and uploaded to a social media website”]. A frequência de utilização do termo propriamente dito terá crescido cerca de 17 000% no último ano, apenas em língua inglesa.

Na verdade, há inclusive selfies que chegam a ser notícia, como a tirada pelo Presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama, o Primeiro-Ministro Inglês, David Cameron, e a líder dinamarquesa, Hell Thorning-Schmidt, em plena cerimónia fúnebre do ex-Presidente Sul-Africano, Nelson Mandela. Enquanto muitos consideraram o acto desrespeitoso, outros consideraram que estava de acordo com o espírito de celebração que então se vivia. Até a personagem mítica da Guerra das Estrelas, Darth Vader, surge numa selfie, associada à conta instagram dos produtores cinematográficos da saga de ficção científica.

PU_selfie

Desenganem-se, porém, os que acharem que é um fenómeno recente. De facto, o mais antigo auto-retrato fotográfico que se conhece, é o de Robert Cornelius, um dos primeiros fotógrafos que, em 1839, produziu um daguerreótipo, um processo precursor da fotografia.

Todavia, seria apenas com a invenção da Kodak Brownie box camera, em 1900, uma câmara fotográfica mais barata, de mais fácil utilização e transporte, que terá permitido a maior difusão da arte fotográfica e, com ela, dos auto-retratos, através do recurso a um tripé, onde se colocava a câmara e a um espelho, cuja imagem era fotografada. Um dos exemplos que sobreviveu até nós, é a selfie da Grã-duquesa Anastácia, filha do último Czar, Nicolau II, que, em 1914,com 13 anos, se fotografou, enviando a fotografia a uma amiga, escrevendo-lhe: ”Tirei esta fotografia a mim mesma, olhando-me no espelho. Foi muito difícil, pois as minhas mãos tremiam”.

Descobertas recentes demonstram como o fascínio pelo auto-retrato fotográfico acompanhou de perto a evolução da própria história da fotografia. A Royal Commission on the Ancient and Historical Monuments of Scotland tem nos seus fundos vários exemplos, desde o início do século XX. O mais antigo pertence ao intitulado Álbum Isabel Ascher, o nome da sua antiga possuidora e sobre a qual pouco se sabe, apenas que contém fotografias familiares tiradas em férias. É este álbum que contém a mais antiga selfie escocesa até agora descoberta, datada de 1907, na qual se observa um pequeno rapaz, com a máquina fotográfica ao colo, rodeado de céu limpo e alguns ramos de árvore. A fotografia, tirada com o auxílio de um espelho pousado em cima de pedras, terá sido provavelmente captada no condado de Inverness-shire ou Nairn.

Tags
Show More

Pedro Urbano

Nasceu em Lisboa em 1979, tendo frequentado o antigo Liceu de Setúbal. Licenciou-se em História pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e é actualmente doutorado em História pela mesma Universidade, onde também concluiu o mestrado em História Contemporânea.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: