AmbienteCiências e Tecnologia

Se os Animais Falassem

Imaginemos que estamos numa sociedade normal, com os princípios morais e cívicos despertos e diligentes:

Quando uma criança estraga um brinquedo, chama-se a atenção com o discurso, por norma, capitalista e exemplificativo de umas outras crianças, geralmente pobres, que não têm nada para brincar.

Quando uma criança não quer comer porque não gosta da refeição, o mesmo discurso exemplificativo emerge com outras crianças desfavorecidas.

Quando uma criança faz birras por um capricho totalmente dispensável, conversa-se e explica-se ao petiz que está errado porque os “nãos” fazem parte da vida.

Quando uma criança faz asneiras típicas da idade, educa-se da melhor forma que se pode e consegue.

Quando uma criança pede atenção, dá-se-lhe a atenção devida e necessária.

Quando a criança quer brincar, brinca-se.

Até aqui, está tudo bem. O quadro está dentro do que é aceitável e correcto, nada a apontar embora podendo, como é evidente, alterar e/ou melhorar um ponto ou outro apesar da linha de raciocínio ser esta para escoltar.

As crianças educam-se sem, sequer, pondo em causa qualquer hipótese ou possibilidade de maus tratos e/ou abandono. Repito: num contexto dito normal e correcto da sociedade de hoje.

E os animais?

Relativamente aos animais, o caso muda de figura. Figura, diga-se, vergonhosamente triste.

Se os animais falassem provavelmente os números dos dados estatísticos do SEPNA, do ano 2016, não testemunhariam nem bradavam aos céus os números hediondos e completamente primitivos:

  • 3.694 denúncias que correspondem a uma média de 10 por dia;
  •  767 crimes que correspondem a uma média de 2 por dia;
  • 5.064 autos de contra-ordenação levantados, maioritariamente, por falta de chip de identificação, vacina e/ou falta de registo, correspondendo a uma média 13 por dia.

Se os animais falassem, a violência contra estes não seria tão enormemente assustador e visível.

Se os animais falassem, não teriam de se sujeitar a maus tratos do dono que este, com toda a certeza, sofrerá de algum complexo de inferioridade e, desprezivelmente, mal trata o animal para, de alguma forma, se enaltecer.

Se os animais falassem, à primeira oportunidade fariam queixa às entidades competentes.

Se os animais falassem, podiam lamuriar-se e, em perfeito estado de direito, lamentar-se à sociedade.

Se os animais falassem, podiam apontar o dedo e dizer bem alto que aquele sujeito não é bom dono! É mau! É má rês! É um verme infame!

Se os animais falassem, provavelmente, tudo seria diferente.

No entanto, e lamentavelmente, eles estão única e exclusivamente a mercê do Homem no que a isto diz respeito.

O Homem, ser indigno e desmerecedor de qualquer sentimento que algum animal poderá nutrir por ele, menospreza o dever e o privilégio que a natureza lhe concedeu – ou não -, age de forma selvagem e paleolítica. Mostra-se desprovido de qualquer carácter revelando ao mundo o parasita que é.

De facto, é fácil abandonar um cão na rua porque pura e simplesmente é velho, ou dá trabalho, ou é irrequieto ou hiperactivo. É fácil bater barbaramente num animal quando este não obedece. É extremamente fácil desprezar, desrespeitar e pisar no âmago do animal. É fácil vomitar-lhe na essência e cuspir-lhe na alma. É fácil trair. É fácil ser desleal e quebrar a promessa que se fez com os dedos cruzados. É fácil olhar para o lado e assobiar para o ar quando um animal abandonado e mal tratado passa deixando um rasto de tristeza, medo, angústia, amargura e tormento.

É fácil.

Se os animais falassem, sangravam a descrever tamanha crueldade a que são sujeitos.

Se os animais falassem, decerto, perdoariam o Homem se este lhes pedisse absolvição.

Felizmente e a par com este flagelo, no dia 1 de Março do ano corrente, saiu a Lei nº 8/2017 que faz referência aos deveres dos proprietários. A nova lei esclarece que há agora

um estatuto jurídico dos animais, reconhecendo a sua natureza de seres vivos dotados de sensibilidade.

Quem não respeitar pode pagar multas pesadas (até 120 dias) ou ir preso (até 1 ano). A Lei abrange, também, em caso de se infligir dor, sofrimento injustificado, abandono ou morte.

Já há muito que o eram, no entanto, apenas desde do dia 1 de Março de 2017, os animais de estimação passaram a ser, oficialmente, “seres sencientes”. Faltam os restantes animais. Os outros, os selvagens. Até lá, caminhamos lentamente pela estrada direita e justa.

Já para o ano 2018, a Lei 27/2016 entrará em vigor no que diz respeito ao abate dos animais nos canis e gatis municipais. Esta medida visa defender os animais que, por maldade humana ou descuido – quase – intolerável, vivem abandonados e prevê impedir o abate dos animais nestes locais como medida de controlo da população. Estes passam a denominar-se Centros de Recolha Oficial de Animais (CREO) e este decreto-lei defende a esterilização e adopção.

Posto isto, cedo a DUDA, para vossa apreciação, em nome de todos os animais e não sem antes deixar claro que prefiro beijar uma pata a apertar uma mão manchada de atitudes grotescas para com eles.

Declaração Universal dos Direitos dos Animais – Unesco – ONU

(Bruxelas – Bélgica, 27 de Janeiro de 1978)

Preâmbulo:

– Considerando que todo o animal possui direitos;

– Considerando que o desconhecimento e o desprezo desses direitos têm levado e continuam a levar o homem a cometer crimes contra os animais e contra a natureza;

– Considerando que o reconhecimento pela espécie humana do direito à existência das outras espécies animais constitui o fundamento da coexistência das outras espécies no mundo;

– Considerando que os genocídios são perpetrados pelo homem e há o perigo de continuar a perpetrar outros;

– Considerando que o respeito dos homens pelos animais está ligado ao respeito dos homens pelo seu semelhante;

– Considerando que a educação deve ensinar desde a infância a observar, a compreender, a respeitar e a amar os animais,

Proclama-se o seguinte:

ARTIGO 1:

Todos os animais nascem iguais diante da vida e têm o mesmo direito à existência.

ARTIGO 2:

a) Cada animal tem direito ao respeito.

b) O homem, enquanto espécie animal, não pode atribuir-se o direito de exterminar os outros animais, ou explorá-los, violando esse direito. Ele tem o dever de colocar a sua consciência a serviço dos outros animais.

c) Cada animal tem direito à consideração, à cura e à protecção do homem.

ARTIGO 3:

a) Nenhum animal será submetido a maus tratos e a actos cruéis.

b) Se a morte de um animal é necessária, deve ser instantânea, sem dor ou angústia.

ARTIGO 4:

a) Cada animal que pertence a uma espécie selvagem tem o direito de viver livre no seu ambiente natural terrestre, aéreo e aquático, e tem o direito de reproduzir-se.

b) A privação da liberdade, ainda que para fins educativos, é contrária a este direito.

ARTIGO 5:

a) Cada animal pertencente a uma espécie, que vive habitualmente no ambiente do homem, tem o direito de viver e crescer segundo o ritmo e as condições de vida e de liberdade que são próprias de sua espécie.

b) Toda a modificação imposta pelo homem para fins mercantis é contrária a esse direito.

ARTIGO 6:

a) Cada animal que o homem escolher para companheiro tem o direito a uma duração de vida conforme sua longevidade natural

b) O abandono de um animal é um ato cruel e degradante.

ARTIGO 7:

Cada animal que trabalha tem o direito a uma razoável limitação do tempo e intensidade do trabalho, e a uma alimentação adequada e ao repouso.

ARTIGO 8:

a) A experimentação animal, que implica em sofrimento físico, é incompatível com os direitos do animal, quer seja uma experiência médica, científica, comercial ou qualquer outra.

b) As técnicas substitutivas devem ser utilizadas e desenvolvidas

ARTIGO 9:

Nenhum animal deve ser criado para servir de alimentação, deve ser nutrido, alojado,transportado e abatido, sem que para ele tenha ansiedade ou dor.

ARTIGO 10:

Nenhum animal deve ser usado para divertimento do homem. A exibição dos animais e os espectáculos que utilizem animais são incompatíveis com a dignidade do animal.

ARTIGO 11:

O ato que leva à morte de um animal sem necessidade é um biocídio, ou seja, um crime contra a vida.

ARTIGO 12:

a) Cada ato que leve à morte um grande número de animais selvagens é um genocídio, ou seja, um delito contra a espécie.

b) O aniquilamento e a destruição do meio ambiente natural levam ao genocídio.

ARTIGO 13:

a) O animal morto deve ser tratado com respeito.

b) As cenas de violência de que os animais são vítimas, devem ser proibidas no cinema e na televisão, a menos que tenham como fim mostrar um atentado aos direitos dos animais.

ARTIGO 14:

a) As associações de protecção e de salvaguarda dos animais devem ser representadas a nível de governo.

b) Os direitos dos animais devem ser defendidos por leis, como os direitos dos homens.

Tags
Show More

Rita Morais de Oliveira

Sem apresentações hollywodianas, nasci em 1988 no Nordeste Transmontano, Portugal. Encontrei o meu habitat na escrita desde que comecei a ler e a escrever. Nos meus tempos livres, além de Freelancer de Conteúdos, também sou uma aspirante escritora em (eterna) construção e contra o Novo Acordo Ortográfico. Com um conto policial publicado - Doce Sentença -, outro em execução para uma Antologia Policial e um livro em criação, todos dentro do mesmo género literário. Como o nosso velho amigo Albert Einstein disse: "Criatividade é inteligência divertindo-se."

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: