Ciências e TecnologiaTecnologia

Saúde sem fios

A visita ao médico é inevitável e, mesmo que não soframos maleitas de maior, a consulta de rotina é indispensável. Porém, desde mezinhas caseiras a livros revistos por profissionais da área, o leque de opções para procurar diagnósticos e respectivos tratamentos é vasto. A internet só agudizou uma realidade há muito existencial. Se se multiplicam páginas web inteiramente dedicadas à saúde, os gigantes da tecnologia estão também a apostar muitas fichas na saúde ‘do it yourself’, melhor dito, ‘monitorize yourself’.

Mais especificamente, tomamos como exemplo o HealthKit da Apple, que recolhe dados de diversas aplicações que meçam indicadores como os batimentos cardíacos, valores nutricionais ingeridos, ou até o número de minutos/horas de actividade física e calorias queimadas. A Apple prometeu, durante o lançamento da tecnologia, revolucionar a saúde e a afirmação pode não ser exagerada.

JN_saudesemfios_1Nos Estados Unidos da América, os hospitais estão já a tirar partido do HealthKit, que permite aos médicos manter um registo fidedigno e compreensivo de toda a informação passível de monitorização, desde pressão sanguínea a sinais vitais. Tudo isto sem qualquer esforço, já que a aplicação agrega os dados de um utilizador de iPhone, ou do mais recente gadget sensação, o relógio computorizado, enviando-os de forma automática, mediante consentimento, ao médico. É aqui que reside o trunfo da Apple em relação aos concorrentes, já que a Samsung e a Google não avançaram ainda para este passo crucial, o de permitir ao médico aceder aos dados.

Não deixa de ser impressionante este poder de intervenção quase imediato nascido da monitorização de metadados, contudo, a questão fica no ar: não estará a Apple (e congéneres) a redefinir um conceito, de doente para consumidor? O serviço proporcionado pelos relógios e smartphones é ainda pouco acessível a qualquer carteira e não deixa de ser imperativo o uso dos aparelhos. Há ainda a inevitabilidade dos hipocondríacos em potência. Certo, por hora, é o facto de até a indústria da saúde tirar partido do doente-consumidor. A Mayo Clinic, nos EUA, não aposta em publicidade dirigida ao doente, optando antes por publicitar as potencialidades do HealthKit, ou melhor, da aplicação relacionada, especificamente desenvolvida para a clínica.

O HealthKit, apesar das apreensões, é capaz de rivalizar com outros feitos extraordinários do inevitável casamento entre a tecnologia e a saúde, não só por facilitar diagnósticos, mas por permitir uma resposta imediata a sinais de perigo precoces. Contudo, este é apenas mais uma pequena evolução.

Para trás já ficaram outras conquistas, igualmente revolucionárias. Podemos lembrar as consultas online, ou através de telefone, já que a tecnologia facilitou o contacto permanente e sem horário com os profissionais de saúde, ou até as inúmeras aplicações que prometem ajudar a dormir melhor e sem preocupações, desde aulas de Yoga a exercícios de relaxamento. E, se um estilo de vida saudável evoca menos visitas ao médico, então, também se podem adivinhar menos despesas com saúde.

Convém salientar, que o maravilhoso novo mundo das Apps saudáveis não se esgota em processos e resultados físicos. Distúrbios como a bulimia, ou a anorexia são combatidos com recurso a psicólogos, que agora têm também um aliado nas aplicações para smartphones. Para além de ser possível controlar a quantidade nutricional ingerida e eliminada, é ainda possível o contacto permanente com um terapeuta, através de mensagens.

A realidade da saúde nos tempos modernos é esta: um estilo de vida saudável, um médico, um terapeuta e até o nosso coração e a quantidade de vezes que bate, cabe tudo no bolso.

Tags
Show More

Jordana Nicolau Costa

"The greatest pleasure of writing is not what it's about, but the inner music that words make" - Truman Capote

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: