Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
PolíticaPortugal

RTP – benção ou maldição?

“A RTP é a única televisão que está próxima dos Portugueses.” Esta é uma das diversas descrições que podemos encontrar na página online da RTP. Define-se como uma estação que esteve presente, desde sempre, na história do país, mas que também nos trouxe a história do mundo.

Entre altos e baixos, levou-nos à Lua e trouxe-nos a realidade dos que, sendo nossos, estão espalhados pelo mundo. Para muitos, tornou-se um problema. Para outros tantos, tornou-se lugar de dar expressão a um país de almas que só se compreendem com voz.

Hoje discute-se – às vezes de forma mais politicamente correta, outras nem tanto – qual será a melhor solução para uma estação que procura, desde sempre, espelhar o país.

Se tanto se ouviu falar nos “precários da RTP”, mais ainda podemos dizer sobre a precariedade das decisões – ou melhor, “decisões” – tomadas pelo Estado relativamente à televisão nacional. Verdade seja dita: ora falamos da “joia do coroa”, ora falamos da próxima venda do Estado.

A máquina do Estado, a “linha” que ligou uma nação entre continentes e que difundiu ideias, uniformizando opiniões, está agora no limiar de se tornar mais maldição que bênção.

O governo terá de, eventualmente, resolver o problema. Focando-se nas críticas – construtivas ou demolidoras -, terá de encontrar a resposta para a questão que se mantém e arrasta há já longos tempos.

Se as respostas não nos parecem claras, se os trabalhadores são vistos como “tachistas”, se a estação em si é vista como uma forma de conduzir ideias e adaptar realidades à vontade do Estado, não quererá isso dizer que a decisão será sempre diferente consoante quem esteja no poder? Não quererá isso dizer que a realidade será diferente consoante o “narrador da história”?

Joana Raquel

Cresci entre dezenas de alcunhas, centenas de histórias e milhares de afetos: isso fez de mim a "Joana do mundo", mas também a "Joana da Lua". Aos 20 anos, vivo cada dia com a paz que as palavras dão - e tiram -, sempre a pensar numa próxima viagem, numa outra conquista (sou Joana da Lua porque o mundo nunca me chegou). Ainda assim, todos me tratam por "Ju"!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Check Also

Close
Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: