ContosCultura

Reencontro

Ele estava sentado num banco que havia convenientemente ali em frente. Fumava cigarros de forma nervosa e ausente, e, mesmo que não parecesse, estava a contar os minutos. Tinha chegado com duas horas de antecedência, não sabia se era porque não aguentava ficar em casa ou se tinha medo que o tivessem informado mal da hora. Também, já tinha esperado tanto, o que eram mais 120 minutos?

Fumou dois maços inteiros, quase seguidos, entre pensamento e pensamento. De vez em quando olhava para os pés, para os ténis sujos, para os joelhos dentro das calças de ganga rotas, e batia com os dedos na madeira, impaciente. Depois recostava-se, suspirava, e parecia acalmar-se. Coçava a cabeça, coçava a barba, fazia caretas associadas ao que pensava. Olhava à volta, e mudava de posição outra vez.

Quando, duas horas e meia depois, abriram o portão da prisão e ele a viu, levantou-se de um salto, como se o banco o tivesse queimado. Apoiou-se numa perna, e depois noutra, numa dança nervosa. Ali estava ela, linda, o cabelo loiro e despenteado apanhado num rabo-de-cavalo, uns óculos escuros e um colete de ganga que lhe lembrava um rocker dos anos 80. Mal cruzou o portão, olhou para ele. Como se ela também tivesse estado todo aquele tempo à espera dele. Ficaram parados, a olhar um para o outro. As pernas tremeram-lhe de emoção e medo, e ele teve de voltar a sentar-se. Ela olhou para os dois lados, atravessou a estrada calmamente, e quando o seu pé pisou o passeio desatou a correr para os braços dele. Saltou-lhe para cima, entrelaçou as pernas no seu tronco e agarrou-o com força. Começou a chorar.

Tê-la completamente agarrada a ele, quase que agrafada, depois de três anos de espera, fê-lo sentir-se o homem mais rico do mundo.

Tags
Show More

Rosa Machado

Por ser curiosa e fascinada pelo que não compreendo, considero-me uma devoradora de livros e uma criadora compulsiva, seja de contos no papel ou de histórias mirabolantes no dia-a-dia. Adoro animais, fotografia, música e filmes – arte em geral. Perco a noção do tempo com conversas filosóficas sobre nada, longas caminhadas para parte nenhuma, conversas exageradas com os amigos, e séries com ronha no sofá.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: