Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
ContosCultura

Quem sou eu – parte II

“De toda a parte”.

A “doutora” estarreceu com estas palavras. Não pelo significado que ficou suspenso no espaço entre eles, um mero jogo de palavras e sentidos. Estarreceu porque o jovem de que cuidou senão à memória, disse-o com tamanha paz espelhando a mais genuína verdade tatuada no seu olhar.

Se ele vinha de toda a parte como poderia ser alguém? Todos temos uma casa, por mais longínqua que dela vivamos. Mas este jovem, espécime belo na sua pele morena refeita da violência em que a paz é reflexo de trauma, mais não fez com aquela resposta do que empurrar a “doutora” para uma procura da sua própria casa, na sua própria casa.

Ela vivia triste e a população assistia à sua vida triste. Tristeza desde que o mar levou o seu marido e os seus jovens filhos, ainda alunos na vida. Um mar selvagem, aquele mar e uma onda impiedosa, um destino carregado de injustiça, desespero, dor.

Nesse dia a doutora em que o fado a cicatrizou, ela morreu com eles. Passou a olhar da sua janela o mar de túnica negra e o vazio como rosto. Apenas as maleitas dos vizinhos a acordavam da letargia da dor. Eles conheceram a crueldade no luto e nas lágrimas dela e praticamente convidavam a doença para que a “doutora” pudesse deles cuidar e assim viver um pouco dando vida.

Também por isso todos se alegraram quando a “doutora” lhes falou desse jovem de que nada conseguia dizer por nada dele saber. Esse casal de fora que o encontrou prostrado no areal e que ali não se deixou em mais delongas partiu levando os seus testemunhos. Os inexistentes vestígios dele ou do que para o levou eram mistérios que apimentavam vozes de cafés. No fundo ninguém acreditava na “doutora”, mas ao sentirem a vida que nela jazia esquecida, todos aceitaram a sua inexplicável história querendo mesmo acreditar no que os olhares não viam.

Os dias foram passando lentamente e o assunto cuidou-se em se banalizar. A doutora lá ia aparecendo dando notícias de como o jovem estava cada vez mais desperto, mais belo agora com o vigor recuperado. Em breve partiria em busca de si próprio. Todos desejaram que tal não acontecesse. Queriam que ela continuasse a viver, a ser a vida de que desistira. Há quem jure ter-lhe visto um sorriso nos lábios. Ela disfarçava-os. Brincavam com ela insinuando afectos e lascivo acto carnal entre os dois. Ela esforçava-se mas começava a a não se negar até que riu, e todos riram com ela.

Nesse dia regressou a casa para junto do seu paciente cantarolando. Ao chegar viu-o de costas nuas e no peso da sua idade menor que as rugas sentiu-se de novo mulher. Perguntou-lhe docemente:

– Estás bem?

– Sim, estou. respondeu ele virando-se para ela.

De novo a doutora estarreceu quando viu o seu falecido marido na sua frente. Ele jovem e belo mostrava-se tal e qual como no dia em que se conheceram e se apaixonaram.

Caída num lago das suas repentinas lágrimas, segurou na mão que ele lhe estendeu e ouviu-o.

– Chega de lágrimas, minha princesa. Eu sou ninguém e sou nada, sou a poeira dourada da tua memória presa.

– Mas como! Tu estás aqui, estou a ver-te, estou a tocar-te, estou a sentir a tua mão.

– Não, não. O que sentes é a tua paixão. A paixão que parecia perdida. Vim mostrar-te que ainda a tens, que ainda vives. O mar não precisa mais das tuas lágrimas, bem salgado já ele é. O mundo sim, precisa de algo. Algo que é o teu sorriso.

Ela sem compreender o que acontecia, concentrou-se em si, limpou o sal dos olhos e aos poucos foi despertando de um sonho demasiado real. Percebeu que a força da memória dos seus falecidos era agora um olhar no seu futuro. Por tal memória e para tal memória, criou em si um homem incógnito que de jazido recuperou para a vida. E ao fazê-lo, dessa memória curou-se a si. Recuperou-se para a vida. Alívio no enterro do seu luto que perdurara tempo de mais.

De pé, da janela olhou o mar, fitou-o e sorriu para ele.

Tags
Show More

André Araújo

Licenciado em história da arte, é a arte das histórias que me move neste mundo. Os mundos de Homero e de Virgílio, de Kafka e de Marquéz, de Bukowski e de Fante, são onde encontro as palavras que me definem e me atormentam, na contínua aprendizagem pessoal para construir o MEU próprio mundo.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: