Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
SociedadeSociedade

Quando se perde

Ao longo da vida perdemos várias coisas, desde os objectos mais simples, como uma caneta, às coisas verdadeiramente importantes: pessoas de que gostamos, batalhas, esperanças. Contudo, não podemos sempre ganhar, sabemos disso e talvez, por isso, aceitamos as derrotas com relativa calma. Não é por não nos importamos, mas porque aprendemos a aceitar.

Aprendemos a aceitar, olhando para o futuro, tentar corrigir os erros, ou tentar de novo. Não desistir, trabalhar, aprender, lutar. Estas são algumas das coisas que aprendemos, quando perdemos algo. Porque perder, como disse Clarice Lispector “significa ir encontrando e nem saber o que fazer do que se for encontrando”. Mesmo que não percebamos no momento em que perdemos, mesmo que não entendamos que aconteceu “naquele” momento, aprendemos com os erros, com as perdas.

Podemos, assim, afirmar que mesmo quando perdemos, ganhamos. Ganhamos experiência, conhecemos a nossa força, muitas vezes conhecemos aspectos da nossa identidade que não conhecíamos, ou moldamos mesmo essa identidade. Como disse o autor Andrew Solomon, numa palestra Ted Talks, temos que assumir os momentos maus “e integra-los em quem possamos a ser; temos que transformar os piores acontecimentos da nossa vida numa narrativa de triunfo, evidenciando um ´eu´ melhor, em resposta às coisas que magoam.” O autor norte-americano acrescenta ainda que, apesar de “não procuramos experiências penosas que talhem as nossas identidades, “procuramos as nossas identidades na sequência de experiencias penosas”.

Winston Churchill foi mais longe, afirmando que “o sucesso é ir de fracasso em fracasso sem perder entusiasmo”.

 

Tags
Show More

Silvia Burlacu

"Escrever é uma maneira de pensar que não se consegue pelo pensamento apenas. Todos os constrangimentos sintácticos e gramaticais da escrita, em vez de nos reprimirem, levam-nos a encontrar frases que não existiam antes de serem escritas, que não podiam existir de outra forma." Miguel Esteves Cardoso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: