CrónicasGastronomiaLifestyle

Quando o Monstro dos After-Eights Ataca

After_Eight_chocolate_thin_(adjusted)

“Look, there’s no metaphysics on earth like chocolates.”

Fernando Pessoa

Eu, não-fã incondicional de chocolate, me confesso! Não faço parte das estatísticas que dizem que as meninas, após um desgosto amoroso, guardam as barras de chocolate junto à embalagem de lenços de papel, refundidos na gaveta da mesa-de-cabeceira.

Porém, com o tempo, aprendi a gostar.

Como em tudo nesta vida, aplico a máxima do “keep it simple”, pois, quanto mais simples é, mais desfruto (deixem-se de ideias, que esta não é uma afirmação com rasteira). Preto, de preferência com uma alta percentagem de cacau e, principalmente, em doses homeopáticas. No entanto, como todas as outras pessoas, não sou assim virtuosa e tenho alguns vícios, sendo que um deles passa por caixas de dois tamanhos, verdes e pretas, com o rótulo de after-eight. Normalmente, consigo tê-las em duas formas lá em casa: seladas, que duram imenso, ou vazias, porque a compulsão não deixa que os chocolatinhos durem mais do que um dia.

Há pouco tempo, arranjei um subterfúgio. Compro as caixas e, quando vou à despensa e as vejo a pestanejar para mim, com um GRANDE sorriso, penso de imediato “tenho de fazer qualquer coisa com isto, caso contrário vai a caixa toda“. Há umas semanas largas, passei por esta situação. Olhei para a caixa e pensei que tinha rapidamente de encontrar uma solução, pois caso contrário não duraria uma hora. Olhei para a minha caixinha das experiências, na qual não pegava há mais de meio ano e decidi que estava inspirada o suficiente para acrescentar mais uma receita à mesma. Escrevi, medi, terminei o doce, coloquei-o no frigorífico e pensei que talvez fosse melhor levá-lo para os meus colegas provarem (lembrem-se: as amigas estão sempre em dieta).

Pensado e feito. Durou até à hora de almoço, com romarias pontuais até à copa de duas, ou três pessoas de cada vez, para o provarem. Até aqui, nada de novo, certo? Naa… errado! É que, por muito que tente, não consigo olhar para uma situação simples sem dar umas boas gargalhadas. É defeito e não feitio.

Nessa manhã, quando cheguei, avisei o meu amigo Tiago, que havia sobremesa na copa. Como disse que ia almoçar fora, pediu-me que guardasse um pouco, para quando chegasse. Assenti. Só voltei a vê-lo mais tarde, perto das 15h da tarde, quando fui à copa, para ir buscar um pouco de doce para alguém que me pediu para provar, e deparo-me com esta imagem: O Tiago, rapazinho com ar infantil, completamente calmo, sem se aperceber que foi apanhado com a boca na botija, de recipiente numa das mãos (completamente vazio) e uma colher de sopa no ar, na outra.

Estaco à porta, olho para ele e digo espantada: “Então Tiago? Isso não era tudo para ti!

Ao que me respondeu, com ar muito inocente, a olhar para o recipiente enorme, que cinco minutos antes, ainda estava meio cheio: “Não?! Foram só duas colheres…

Leite creme de After-eight

Vamos às compras?

  • 1 lt de leite
  • 6 gemas de ovo
  • 200 g de açúcar
  • 40 g de maisena, ou 60 g de farinha
  • Casca de 1 limão, só parte amarela
  • 50 grs de chocolate negro, com pelo menos 50% de cacau
  • 200 grs de after-eight (pronto, ok, tirei 3, ou 4 só para mim)

E agora, preparar

Num recipiente, misture as gemas com o leite, deixando um pouquinho de parte. Junte o açúcar à farinha e misture com o leite que reservou, de forma a deixar a mistura homogénea. Acrescente a casca de limão e a mistura ao restante em um tacho e coloque ao lume.

Vá mexendo sempre até que ferva e comece a engrossar. Logo que comece a borbulhar, retire do lume e retire a casca de limão do creme. Reserve.

Parta o chocolate negro e misture com os after-eights. Leve ao micro-ondas, 30 segundos de cada vez, na temperatura máxima, três, ou quatro vezes e vá mexendo de cada vez que o fizer, até que se torne um creme espesso. Misture os chocolates com o leite creme e envolva bem. Coloque no frigorífico, pois, ao contrário do leite creme tradicional, este deve ser servido bem fresco.

As simple as that!

Tags
Show More

Marisa Coelho

Eu, curiosa aprendiz de tachos e letras, inspiro-me nas referências do digníssimo trabalho de outros e dou-lhe o meu cunho pessoal. Conto estórias com personagens, tempos e espaços, condimentadas q.b. E sempre em busca do ingrediente perfeito que muitas vezes se encontra na Dita paixão do que se faz.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: