EducaçãoSociedade

Quando eu era caloira…

Muito se tem falado sobre a tragédia na Praia do Meco. Uma discussão acesa quando tudo leva a crer que a morte dos seis estudantes se deveu a uma praxe. Tema sensível. Propício a ser alimentado por muito tempo pela Comunicação Social. Eis a prova, toda a gente tem opinado. Mais uma vez, a praxe tem servido de bode expiatório. Não, não quero ser mais uma a opinar. Não estive lá e sei que ao não julgar não farei, seguramente, falsos juízos de valor. O que sei é que um dia fui caloira, uma experiência que em nada me traumatizou, e que talvez, por isso, me custe tanto a ler as barbaridades que têm sido escritas.

Acredito que quem é praxado num meio pequeno como eu fui, na Covilhã, seja uma experiência diferente. Quem estuda, ou estudou numa universidade pequena conhece o sentimento de proximidade. Todos se conhecem, nem que seja só de vista. Uma espécie de aldeia académica. O espírito é definitivamente diferente e não é que eu tenha estudado noutra universidade, bastou-me os testemunhos dos meus colegas.

Lá, na cidade da Serra, a Praxe dura um mês. Um mês intenso. De um momento para o outro, deixamos de ter vida própria. Sim, vida própria! Quando as aulas terminam, temos à nossa espera uma autêntica tropa de elite, pronta para nos “infernizar” a vida. É nesse momento que vestimos a t-shirt, com um burro estampado, desenhamos com batom as iniciais do curso na cara, damos as mãos e seguimos os corvos para almoçarmos todos juntos na cantina. Só com um garfo, só com uma faca, só com o pão, ou apenas as mãos, a tigela da sopa na cabeça (depois de consumida, claro), o colega que se ri e sobe para a cadeira a cantar o hino nacional com a língua de fora. Uma animação. Depois segue para a latada.

Pelo caminho, as vozes ficam roucas com tanta cantoria. Há o hino da universidade, do curso, aquela letra para fazer frente ao curso X, para o caso de nos aparecer à frente. Sim, porque o nosso é sempre o melhor, o verdadeiro espírito de vestir a camisola. Às vezes, ainda há tempo pelo caminho para ganhar uma garrafa de Adamado.

Na latada, entre agulhas e tecidos, mais cantoria. Tudo tem que estar pronto para o derradeiro dia. À noite, mais uma festa, a do “Pijama”, a do “Ridículo”, ou a do “Mister Caloiro / Miss Caloira”. Caso contrário há sempre as “Milícias” prontas para apanhar caloiros e praxar até de madrugada.

És colocado nas posições mais estranhas, não deves olhar para os “superiores” e até decoras o número do BI, para o caso de te pedirem para te apresentares. Claro que há sempre aquele “Chico esperto” que te tenta inferiorizar. É aí que deves saber marcar a tua posição. Recusei praxes, mas confesso que fiz umas quantas estúpidas. Respondi mal, porque não estava para ali virada, e até inventei que era hiperactiva tudo porque não me apetecia estar longos minutos na mesma posição.

Foram dias exaustivos, de muita correria, de muita festa, de convívio, de lamentos e de risos. Um convívio intenso, durante praticamente 24 horas por dia, que resultou, inevitavelmente, em amizades que duram até hoje. Se foi essencial para a minha adaptação? Foi. Se tive momentos em que me apeteceu desistir? Sim. Porém, também digo que fui muito feliz, enquanto caloira. Tudo é uma questão de atitude. Ninguém é obrigado a nada. Cada caso é o seu caso. A raiz da praxe consiste em conhecer novos colegas e se divertir. Se assim não for, algo está muito errado.

Tags
Show More

Diana Rodrigues

Minhota de gema. Distraída. Aventureira. Gulosa. Crítica. Observadora. Anti rotina. Persistente. Sonhadora. Alguém que vê na evolução um objectivo. A escrita? É mais que uma fuga. É paixão. O jornalismo regional e a imprensa online são os intermediários.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: