PersonalidadesSociedade

Paula

De manhã, no caminho para o trabalho – o mesmo de todos os dias – deparei-me com uma senhora farta em tristeza e certezas. Estava, no autocarro, sentada num banco. Um rapaz, noutro. Ela deve estar na faixa etária dos 30. Ele é um adolescente.

A mulher olhava fixamente para ele. Repetia em voz alta “é o meu filho!”. Foi chamada de maluca por muitos.

Não chorou por um instante, mesmo com todos a apontarem-lhe o dedo. Tirou da mala, um álbum de fotografias, que diz trazer sempre consigo, para onde quer que vá. Fez questão de mostrar o filho a todos quantos se encontravam atrás dela.

“Oh senhora, o seu filho é pequeno. O rapaz sentado é um homem feito.” Inflamaram-se os que lhe chamaram de maluca.

“O meu filho foi-me tirado com um ano. Agora tem 18. A única maneira que tenho de o ter sempre comigo é com este álbum. Na fotografia, é o meu filho e ali no banco também. Eu sei!”

Fez-se silêncio. O moço saiu do autocarro sem ter escutado nada, tinha música nos ouvidos.

Eu saí na paragem seguinte com as mãos vazias e um aperto no peito. Quantos “filhos” verá a senhora em cada adolescente?

Agora, à vinda para casa, cruzo-me com a mesma senhora. Sentei-me à sua frente.

“Estava de manhã, no autocarro, não estava? Aquele era mesmo o meu filho. Eu sei!”

“Eu acredito em sim. As mães nunca se enganam.”

“Olha ali a lua. Está cheia. Vês? Era mesmo o meu filho.”

A viagem naquele autocarro foi terminada para mim. Mas antes despedi-me dela, desejando que a lua estivesse sempre cheia.

“Obrigada. Sou a Paula.”

“Beijinhos, Paula. Sou a Sofia”.

Saí com uma vontade imensa de chorar. Que vida a da Paula… Eternamente agarrada ao filho pequeno e a vê-lo há 18 anos em cada menino com que se cruza, toldada pela (in)certeza de que aquele é o filho…

Há dias em que nos são mostradas lições. Hoje, foi-me um deles. Conheci a Paula e o filho pequeno. O filho pequeno. E o crescido também. As mães nunca se enganam.

Show More

Sofia Fonseca Costa

Nasceu numa quarta feira de Novembro, no ano 1984, mas não gosta de meio termos. Desde que se lembra que quer ser escritora e mãe. Dizem que no canto do seu sorriso mora um arco-íris. Vive para as palavras e afectos. Não gosta de chocolate.
É formada em jornalismo e fez teatro durante mais de uma década.
Mãe de quatro filhos a quem chama de Soneto. É autora do livro Murmúrio Infinito. Chamam-lhe Sofes Marie.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: