Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CulturaMúsica

Out & Loud by Liana Rego – Outubro 2018

"Siesta" dos Hater, "Wanderer" de Cat Power e "Vai e Vem" de Márcia

Siesta (Hater)

Capa de “Siesta”, lançado a 28 de setembro de 2018

Os Hater são uma recente banda sueca, que lança agora o seu segundo álbum (sendo que o primeiro, You Tried, saiu em 2017). O quarteto é liderado pela voz de Caroline Landahl e o seu papel é vital para sentirmos realmente este Siesta. O álbum realça o que de melhor a banda tem para dar no indie popque transborda no seu registo: linhas marcadas no baixo, cheias de vontade de fazer “bater o pé”, e instrumentais preenchidos e acelerados, sempre revestidos do viciante timbre de Landahl. Sussurros, falsetes e alguns agudos bem presentes, mas circunstanciais na medida certa, compõem o contributo insubstituível da vocalista, que assim particulariza ainda mais a pele sónica da banda.

Este álbum é o resultado de uma sintonia instrumental e vocal muito bem conseguida, sem que daí se possa concluir qualquer simplismo no processo criativo da banda ou na produção das músicas. Cantam sobre expectativas, relações perdidas, otimismo e novos começos, como resultado daquilo que parece ser uma introspeção sem distrações, que resulta numa pop de excelência. Apanha-nos logo na primeira música (“From the bottom of your heart”) e, a partir daí, somos transportados para uma viagem tranquila, com alguns sobressaltos inesperados mas, na sua maioria, positivos e suficientes para que a chegada ao destino seja feliz.

É um trabalho discográfico longo, composto por 14 faixas, que desenrola alguns devaneios desnecessários que prolongam as canções sem grande motivo. No entanto, não é um álbum para ouvir em qualquer altura, o que pode ajudar a tolerar a sua duração sem levantar questões. “Its so easy”, “Closer” e “Cut me loose” são os destaques que brilham através de um certo “playfulrock; “Fall off”, “Things to keep up with”, “Why it works out fine”, “Seems so hard” e “Weekend” são a autenticidade que nos faz querer ouvir o futuro deste grupo sueco.

Wanderer (Cat Power)

Capa de “Wanderer”, lançado a 5 de outubro de 2018

Sublime. Chan Marshall superou-se neste seu nono álbum enquanto Cat Power e revela-se uma jovem de 46 anos a fazer música com liberdade. Não será coincidência que o seu novo registo seja resultado de um trabalho com uma editora diferente daquela que foi responsável pelos seus sete discos anteriores (Matador). Há quem diga que a mudança aconteceu depois do sucesso do seu álbum de 2012, Sun, que conquistou uma comunidade mainstream de ouvintes e levou a discográfica a solicitar um registo mais comercial de Marshall – para continuar o fluxo lucrativo. Parece que a manobra não lhes correu bem.

Em Wanderer, a artista americana moderniza a sua melancolia e o seu som, num registo que reclama a sua batalha contra problemas psiquiátricos como vencida. O primeiro single do álbum, “Woman”, que conta com a muito bem-vinda participação de Lana Del Rey, é a montra do disco e um canto dessa mesma vitória. Vale muito a pena ouvir a versão completa deste singleque serve de exemplo para confirmar a personalidade imensa deste álbum e as suas notas de ironia bem humorada. Mas para quem tem mais preguiça, ou simplesmente mais curiosidade pela estética escolhida para esta faixa, aqui fica o videoclipe.

Os restantes destaques vão desde “Wanderer”, “In your face”, “Horizon” e a belíssima cover da música de Rihanna, “Stay“, até “Black” e “Me voy”, que já só surgem na segunda metade do alinhamento. Com um conjunto assim, este disco traz-nos uma Marshall confiante e, mais importante ainda, uma artista que faz música madura, diferente e ousada, através da ausência do medo de ser modernizar e da certeza revigorada que quer ser quem lhe apetece.

Vai e Vem (Márcia)

Capa de “Vai e Vem”, lançado a 12 de outubro de 2018

A artista portuguesa marcou a sua forte presença no panorama nacional da música em 2009, quando lançou o seu primeiro trabalho (Márcia), no qual se inclui a famosa “A pele que há em mim (quando o dia entardeceu)”. Agora, regressa três anos depois do seu último disco (Quarto Crescente, 2015) com Vai e Vem, um registo que nos relembra a Márcia de sempre, mas com os toques de crescimento pessoal típicos de quem escreve (boas) canções.

A coerência da sua delicadeza é difícil de ser concretizada, mas certamente é já lugar cativo do trabalho que tem vindo a apresentar. Não por existir estagnação no seu registo, mas antes pela forma como escreve e interpreta – de uma maneira que nos toca, nos move e nos emociona. Neste álbum, a artista escreve sobre o desamor e a indiferença de quem se ama, mas também sobre arriscar, viver e amar – através de alguns gritos de independência, uns mais contidos do que outros.

Ao potencial vocal praticamente oculto, mas ao mesmo tempo óbvio – porque o seu controlo é exímio e a delicadeza também não é proeza fácil -, junta-se a sua composição lírica arrebatadora, que nos convence a viver (e a desejar) as suas dores, as suas dúvidas e as suas certezas. Podemos ouvir canções que nos levam para um retiro quase transcendental, como “Mil anos”, “Pega em mim” (com Salvador Sobral) e “Ao chegar”, bem como outros testemunhos da sua capacidade de apalavrar sentimentos, sejam eles quais forem – como “Tempestade”, uma das faixas mais pop, “Amor conforme”, “Corredor” e “Vai e vem” (com António Zambujo). “Emudeci” é mais uma das faixas que conta com a participação de um nome sonante da música portuguesa, Samuel Úria, sendo que este vem já sendo um companheiro recorrente na carreira de Márcia.

When it’s out, put it loud.

Tags
Show More

Liana Rego

Licenciada em Jornalismo, pela Universidade de Coimbra, e Mestre em Cultura, Património e Ciência, pela Universidade do Porto. Jornalista na Conexão Lusófona e crítica musical nos tempos livres (que são todos, porque não gosta de se sentir enclausurada). Ativista. Vegetariana. Apaixonada: por música, pela interpretação da vida e pela Arte de revolucionar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: