Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CulturaMúsica

Out & Loud by Liana Rego – Novembro 2018

"This is my dinner" de Sun Kil Moon, "Rainbow Valley" de Matt Corby e "Rosa" de Luísa Sobral

This is my dinner (Sun Kil Moon)

Capa do álbum “This is my dinner”, lançado a 1 de novembro de 2018

Mark Kozelek é indubitavelmente talentoso, mas este seu novo álbum com os Sun Kil Moon – que são, no fundo, a tela autoral do artista norte-americano, cujo movimento e direção estão à mercê dos seus devaneios criativos – é indubitavelmente chato. Já lá vão quinze anos desde o álbum de estreia do grupo, Ghosts of the Great Highway (2003), e quatro desde o aclamado Benji (2014), mas tudo o que vem de Kozelek atualmente parece já uma tentativa presunçosa de contar a sua vida, como se isso, por si só, fosse interessante.

Infelizmente, nem tudo o que sai “fora da caixa” e se apresenta como conceptual pode ser levado a sério. This is my dinner é prova disso mesmo: os Sun Kil Moon dão histórias e mais histórias através de cada uma das dez faixas do álbum, é facto, mas a originalidade da prosa – nada poética – falada, mesmo sendo dita por uma voz imponente como a de Kozelek, não é suficiente para prender o ouvido de quem vai à procura de, certamente, mais do que isso. Através de um instrumental monótono, às vezes até quase omisso, o “diário de bordo” dos Sun Kil Moon chega banal e desinteressante em quase todas as canções, inspiradas num digressão europeia feita pelo grupo. This is not possible é um relato mundano sobre os “sim” e os “não” ditos a Kozelek durante a sua passagem pela Alemanha; This is my dinner conta algumas peripécias vividas na Noruega, nomeadamente o episódio em que uma rapariga o masturbou e foi apanhada pelo namorado; Linda Blair, uma das faixas mais bizarras, é uma história passada a bordo de um avião no qual o vocalista está sentado ao lado de uma menina que tosse muito e faz alguns barulhos durante a viagem (os quais compara com os de Linda Blair em “O Exorcista” – e faz questão de imitar).

Enfim, This is my dinner é um álbum cansativo. No meio de tanto texto, procuramos saber algo mais que a mera junção de palavras não resolve, porque se limita a contar vivências sem qualquer importância, numa moldura que a realça como sendo importante – e nos ilude. A vida do artista não é interessante por si só; aliás, à partida, não tem interesse nenhum – e cabe à parte artística de cada um/a fazer com que esta se torne maior do que si própria, ou simplesmente empatize com as vivências de outros. Em Candles, Kozelek diz “Stockholm would be my first choice for a european second home” e, depois, devaneia sobre um sonho que teve, em que se viu a morar na cidade sueca na altura do Natal; em Soap for joyful hands, o relato é sobre meias – como o vocalista as tratou, lavou e secou enquanto estava num hotel, basicamente.

Talvez o mais importante a absorver sobre este álbum seja o que tem de melhor: David Cassidy e Chapter 87 of He. Curiosamente, ambas as canções são sobre outras pessoas, em vez de relatos secos e egocêntricos como acontece com grande parte do álbum. A primeira é uma homenagem ao ator e cantor norte-americano, David Cassidy, que faleceu durante a tour do grupo – “David Cassidy made us happy when we were little girls and boys. So for David Cassidy right now everybody make some fucking noise”. A segunda é um bonito texto, que na verdade é o capítulo 87 do livro He, de John Connolly, um autor irlandês que é amigo de Kozelek, e que encaixa que nem uma luva na spoken word que vigora neste discoRock ‘n’ roll singer também marca pela positiva, com um instrumental mais presente e os silêncios necessários.

Rainbow Valley (Matt Corby)

Capa de “Rainbow Valley”, lançado a 2 de novembro de 2018

Com este disco, Matt Corby veio para ficar e já parece ter menos amarras. Depois do sucesso de Telluric (2016), o seu primeiro álbum, e da internacionalização do seu nome e das suas canções – como “Monday” e “Brother” -, o australiano regressa num registo mais alegre e bem resolvido, sem facilitar na produção e nos arranjos.

Mantendo aquela sonoridade que já lhe conhecemos, com toques transcendentes que surgem da mistura entre o instrumental e as suas danças vocais absolutamente comoventes, Corby traz mais serenidade. Talvez a paternidade, que experienciou pela primeira vez durante a gravação deste disco, tenha sido um fator determinante; mas também é possível que este seja o resultado de um processo de autoconhecimento natural, que aconteceria de qualquer maneira após ter vivenciado as “luzes da ribalta“.

Rainbow Valley é um daqueles álbuns que pode ser ouvido nos mais variados momentos da nossa vida ou do nosso dia. Cada faixa vem acompanhada de um registo muito próprio que, sem colocar a coerência do alinhamento em causa, torna o disco numa experiência muito mais completa – e o mérito é mesmo de Matt Corby, que tocou e escreveu todo este trabalho. No ordinary life mostra um autor grato pela vida simples que leva e gosta de levar, sem barreiras ou cortinas que sejam impedimento para que a considere extraordinária; All that I see é uma das melhores faixas do disco, vestida com uma sonoridade moderna e atual, cheia de groove – como tantas outras do álbum – e com uma mensagem esperançosa sobre aproveitar a vida, sem artifícios;All fired up começa como uma balada ao piano, mas depois é preenchida com coros e percussão na medida certa, o que nos permite continuar embalados/as pela letra – uma autêntica declaração de amor e compromisso.

Elements” é outra glória deste álbum: groovy, com o piano psicadélico dos The Doors a dar uma espreitadela bem firme e a garantir que quando Corby canta o início do seu refrão, “All the things I do have an element of you”, já a canção nos conquistou por completo. A faixa que dá nome ao trabalho discográfico do australiano, “Rainbow Valley“, encerra-o com a vibe que se sente ao longo de tudo o que a antecedeu. Ouvem-se pássaros a chilrear, depois de uma letra que fala de assentar e aproveitar a natureza – “All I want / Is to get out to the country / Where everything is green / And the blues don’t follow me”. Este é um álbum que, sendo moderno, parece vintage em alguns momentos, e sendo apenas o segundo da carreira de Corby, passa perfeitamente por um trabalho de alguém com mais anos de repertório.

Rosa (Luísa Sobral)

Capa do álbum “Rosa”, lançado a 9 de novembro de 2018

O primeiro disco depois da vitória da Eurovisão  poderia, de alguma forma, ser uma “escorregadela” na carreira de Luísa Sobral. Felizmente, não foi. “Rosa” veio no momento certo e trouxe consigo a doçura amadurecida de uma artista que não tem medo nenhum  da simplicidade, dos silêncios e de uma entrega que recomeça em cada letra.

As canções são simples, sem artifícios, e falam de amor: o romântico, o fraterno e, claro, o materno. Sobral foi mãe pela segunda vez, pouco antes do lançamento do disco, e esteve grávida durante toda a composição do mesmo. O título, Rosa, também não é fruto do acaso, tendo em conta que esse é, também, o nome da sua filha.

Integralmente em português, este trabalho discográfico traz certezas sobre Luísa: é dos seus que retira grande parte da “inspiração” para criar, mas prefere continuar a deixar essa porta fechada quando esta não se foca na sua música. “O melhor presentenão podia ser mais autobiográfico – “os irmãos mais velhos são os heróis do batalhão da nova geração (…) O colo de uma mãe aumenta quando chega alguém“. Esta é, claramente, uma canção escrita para o seu primeiro filho, que recentemente se tornou irmão mais velho, tal como Luísa é de Salvador Sobral. “Dois namorados” explora a imprevisibilidade do amor, em sintonia com um dedelhado de guitarra elétrica e, a dado momento, com um coro de segundas vozes a cappella. “Só um beijo” marca uma faixa decisiva no álbum, uma vez que é interpretada com Salvador Sobral e junta, assim, de novo, a dupla que pela primeira vez possibilitou a Portugal a vitória da Eurovisão (2017). Felizmente, com a essência de ambos, numa entrega completa, “Só um beijo” acaba por ser um dos pontos altos do disco.

O restantes destaques vão para “Querida Rosa” e a sua guitarra portuguesa (que pode, na realidade, ser apenas uma sensação aparente, provocada por marotas cordas de nylon); “Envergonhado“, que é uma composição maravilhosamente bem escrita; e “Nádia“, a história comovente de uma mãe que parte com dois filhos nos braços, com “uma viagem sem fim” para completar, e que ecoa numa interpretação que leva o nosso imaginário até às mulheres refugiadas.

When it’s out, put it loud.

Tags
Show More

Liana Rego

Licenciada em Jornalismo, pela Universidade de Coimbra, e Mestre em Cultura, Património e Ciência, pela Universidade do Porto. Jornalista na Conexão Lusófona e crítica musical nos tempos livres (que são todos, porque não gosta de se sentir enclausurada). Ativista. Vegetariana. Apaixonada: por música, pela interpretação da vida e pela Arte de revolucionar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: