Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
ContosCultura

Odeio estar a escrever sobre ti

Odeio estar a escrever sobre ti.

Odeio que as voltas que dou inquieta na cama sigam o ritmo que imagino ser o do teu corpo. Quase consigo sentir na minha pele os poemas impacientes que te queimam a língua. Abres as mãos para soltá-los e eles ficam presos em mim como ilusões: fecham-me as pálpebras e respiram-me ao pescoço e afogam-me o peito e consomem-me.

Odeio que o frio que entra pela janela semiaberta não chegue para me arrefecer os devaneios que os olhares que trocámos plantaram em mim. A eufórica invasão do hipotético, aquilo que nunca me dirás, aquilo que nunca faremos, aquilo que nunca sentiremos, e tudo aquilo que já foi feito e dito e sentido sempre que te pensei. Não sei se me sacudir e livrar-me de ti ou se te vestir com orgulho, porque no fundo talvez me conforte este masoquismo estúpido.

São quatro da manhã e talvez eu esteja a enlouquecer.

Saio. Tento ignorar a tua presença invisível à minha volta. Preciso de me libertar dos lençóis que imagino enrolados nas tuas pernas enquanto dormes, dos sabores que te invento quando sonho com o toque das pontas dos teus dedos.

Odeio não conseguir evitar-te.

Desenho histórias: talvez estejas entretido com pensamentos noctívagos, fumando um cigarro à janela do teu quarto, e de repente me vejas ou só me imagines. No mesmo instante que eu tento fugir de tudo o que me fazes sentir. Talvez me chames de impulso, talvez me esqueças segundos depois. Pelo sim, pelo não, sorrio.

Na madrugada, o ruído dos sapatos na calçada imita pequenas explosões. As luzes das ruas e dos carros parecem sobrenaturais, sinais perdidos que só entendo ao som da música alta que me ocupa os ouvidos. Nada mais existe, o divino fala-me. O coração aumenta até eu deixar de respirar e finalmente percebo porque é que o amor nos vai dilacerar de novo.

Pelo menos, a mim.

Odeio estar a escrever sobre ti, mas não sei expulsar-te de outra forma.

Tags

Rosa Machado

Por ser curiosa e fascinada pelo que não compreendo, considero-me uma devoradora de livros e uma criadora compulsiva, seja de contos no papel ou de histórias mirabolantes no dia-a-dia. Adoro animais, fotografia, música e filmes – arte em geral. Perco a noção do tempo com conversas filosóficas sobre nada, longas caminhadas para parte nenhuma, conversas exageradas com os amigos, e séries com ronha no sofá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: