ImprensaSociedade

O Vale Tudo dos jornais

Num acto de revolta retirei há dias o meu “gosto” da página do Facebook dum jornal online recém-criado. A fome por mais visualizações é tanta que o dito órgão de comunicação se tem dado ao papel, especialmente durante o horário nocturno, de partilhar artigos (se pode mesmo chamar-se assim) com conteúdos só comparados à revista Maria e ao Correio da Manhã.

Pensei que se tratasse de um projecto diferente. Enganei-me. O que é uma pena. Mais do mesmo, não é de facto o que necessita a Comunicação Social, em Portugal. Infelizmente, tem sido este o caminho adoptado. Até mesmo, por jornais que há meia dúzia de anos se orgulhavam em terem uma linha editorial rigorosa, como é o caso do Público.

O argumento dos directores é a crise – a queda das vendas. É o vale tudo, é o que se pode concluir. Toda a gente sabe que a imprensa cor-de-rosa sempre foi mais lucrativa, mas misturar ambos num só, acarreta um problema grave ao leitor – saber separar a informação da desinformação. Exemplo disso foi o que se passou com a não notícia da participação de Diogo Morgado na série Game of Thrones. Um insólito cada vez mais comum. Certos jornais portugueses ainda não perceberam que estão a perder credibilidade. Importa lembrar que a génese do jornalismo é a verdade. É que todos os anos saem fornadas de potenciais jornalistas das universidades portuguesas, sendo a realidade actual tudo menos um bom exemplo para as gerações vindouras.

Dá impressão que a imprensa fechou as portas à sua missão maior – informar. Uma sociedade ciente do que a rodeia depende obrigatoriamente dum bom jornalismo. Colocar os lucros acima disso, é dar cabo da beleza deste ramo. Pior ainda: trata-se dum retrocesso. Não é a própria comunicação social que diz estarmos diante da geração mais bem formada de sempre? Pois bem, então acompanhem o tempo! Estão a passar a imagem de que os portugueses são todos uns incultos, interessados somente pelas operações plásticas da Lili Caneças. É mentira. Prova disso é que os jovens são os que menos vêem televisão.

Abandonar esta linha é o caminho mais difícil. Ninguém dúvida disso. O Correio da Manhã continua a ser o mais vendido e o Jornal de Notícias viu as suas vendas a subirem depois de aproximar o seu registo a este. Mesmo a pessoa com mais formação não resiste a pegar naquela revista com determinado famoso na capa. A coscuvilhice está no nosso ADN, mas deixemos esses conteúdos para esse núcleo da imprensa e façamos do jornalismo um motivo de orgulho para quem sonha com ele. O sucesso até pode ser mais demorado, mas será claramente mais valioso para os leitores.

Tags
Show More

Diana Rodrigues

Minhota de gema. Distraída. Aventureira. Gulosa. Crítica. Observadora. Anti rotina. Persistente. Sonhadora. Alguém que vê na evolução um objectivo. A escrita? É mais que uma fuga. É paixão. O jornalismo regional e a imprensa online são os intermediários.

Related Articles

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: