SociedadeSociedade

O que muda?

Com o fim de Dezembro, chega também o fim de mais um ano.

Depressa nos apressamos a momentos de introspecção. A decidir se foi o pior, o melhor ou um ano assim-assim. No que se ganhou ou perdeu, em quem chegou e quem partiu, se chorámos ou gargalhámos mais, e outras medidas aplicadas a cada um de nós, para ver qual é o lado que mais pesa ou se há equilíbrio.

Ninguém é supersticioso, mas muitos vão ver as tradições e superstições para as cumprir escrupulosamente para garantir que o ano que está prestes a ser recebido com festa e fogo de artifício seja melhor do que o que se vai despedir.

12 passas, ter uma nota no bolso – de preferência que não seja de nenhum jogo de tabuleiro ou de um parque infantil – subir para uma cadeira, bater em tachos e panelas para um barulho infernal, tudo devidamente acompanhado por cuecas azuis preferencialmente novas e uma lista imensa de resoluções para cumprir e/ou atingir.

Depois de tudo feito e de recebido o ano o que acontece? Rigorosamente nada, para além do divertimento que a noite costuma trazer.

Então, afinal o que muda, se todos os anos é repetido o ritual? O mês, o ano, o dia? Ou nós, finalmente?

Tentando sair e pensar fora da caixa da festa e celebração, se não formos nós a mudar, a ir à luta e a continuar a celebrar os dias como se cada um fosse o último, alguma coisa mudará para além da parte cronológica e temporal?

Em vez de chorarmos aquele que pode ter sido o pior, porque não aproveitamos, já que estamos levados pelo encanto da festividade, para acreditar que o próximo será melhor se nós próprios fizermos por isso? É o que falta: colocarmo-nos em tudo quanto fazemos e acreditar que é possível alcançar aquilo a que nos propomos. Não importa se há quem não acredite. Não! É o que cada um de nós sente e carrega no brilho dos olhos acompanhado pela força de vontade que faz com que algumas coisas consigam mudar para melhor e que alcancem tudo quanto vos sejam possíveis. Tudo quanto merecem e fazem por merecer. Tudo para o que trabalham, batalham e acreditam. E fico a adivinhar o vosso sorriso feliz quando a primeira meta, definida por cada um de vós, for alcançada. Para que as resoluções sejam lembradas e sentidas todos os dias, independentemente da mudança do ano. Porque afinal o que muda mesmo?

Escreveu Miguel Torga que “o destino destina, mas o resto é comigo.” Qual tem mais peso, na vossa vida: o destino ou o que é convosco? Pensem nisso.

Tags
Show More

Sofia Fonseca Costa

Nasceu numa quarta feira de Novembro, no ano 1984, mas não gosta de meio termos. Desde que se lembra que quer ser escritora e mãe. Dizem que no canto do seu sorriso mora um arco-íris. Vive para as palavras e afectos. Não gosta de chocolate. É formada em jornalismo e fez teatro durante mais de uma década. Mãe de quatro filhos a quem chama de Soneto. É autora do livro Murmúrio Infinito. Chamam-lhe Sofes Marie.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Check Also

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: