Lifestyle

O que aprendi sobre mim quando fui mãe?

Passas a correr pela sala e reparas que estou sentada no sofá. Paras, esboças um sorriso encantador e vejo um amor imenso nos teus olhos azuis.

– Mãe estás tão linda! Sabias que te amo?

– Sabia! E tu sabias que te amo?

Abraças-me com força e sinto que todos os problemas e angústias de um longo dia terminam com o teu abraço. É uma sensação indescritível sentir o teu coração bater junto ao meu. Não há poeta, cantor ou escritor que possa exprimir o que sinto, porque só mesmo sentindo.

No dia 5 de Julho de 2004, às 23h49, vejo o rosto do meu filho pela primeira vez. Começo a chorar num misto de alívio e alegria ao mesmo tempo… e a partir daqui tudo muda em mim. Passo a noite acordada a olhar para o bebé que dorme tranquilamente, abrindo os “olhinhos” de vez em quando como se apenas me quisesse dizer “gosto de ti”. Sinto que tudo muda e que a partir de agora tudo em mim sofre uma intensa metamorfose.

Os meses e os anos passaram e, tal como previ no dia em que o abracei pela primeira vez, tudo mudou.

Entrei em pânico com a primeira febre, passei noites em claro, mudei fraldas sem fim, chorei todas as vezes que me senti impotente para tranquilizar uma dor mais forte e desejei que a dor fosse minha e não dele.

Senti que tudo em mim era luz, quando o vi a dar o primeiro sorriso e a dizer “mamã” pela primeira vez. Dei por mim a dar um significado novo à praia, deixando-me de importar com a areia colada ao protector solar, e desisti de sacudir a toalha, porque sorrias cada vez que percebias que a podias voltar a sujar. Sussurrei palavrões sempre que caminhava a pé descalço pela sala e pisava um dos seus inúmeros brinquedos espalhados, para logo em seguida dar uma gargalhada ao visualizar o seu rosto travesso.

Passei a ser mais amorosa, sentimental e muito lamechas, como se por milagre as portas do meu coração se abrissem para o mundo.

Porém, a maior mudança foi perceber que só podia amar incondicionalmente o meu bebé, quando me começasse a amar da mesma forma.

“Não podes dar aos outros o que não dás a ti mesmo”, li algures por aí e concordo a 100%.

Oiço mães dizerem que os filhos estão em primeiro lugar, batendo no peito de forma orgulhosa. Oiço a verdade delas sem nenhum tipo de crítica, sem, no entanto, concordar.

Com a maternidade percebi que só posso fazer o meu filho feliz, se me fizer feliz em primeiro lugar, e toda a minha trajectória de vida tem sido nesse sentido. Quando oiço o meu filho ou filha dizer frases como “estamos aqui para ser felizes”, aí sim, sinto que estou a cumprir de forma gloriosa a missão que um dia decidi abraçar.

Ser mãe é a maior missão da minha vida e aprendo todos os dias algo novo sobre mim. Sempre que a minha mente é ocupada por um pensamento menos bom, logo em seguida lembro do abraço dos meus filhos e sinto que tudo passa ao sentir o bater dos seus corações.

Ser mãe é reinar em amor, ser amor.

Anderson Cavalcante

Show More

Mónica Monteiro

Olá o meu nome é Mónica e sou proprietária de um centro de estética e terapias alternativas. Uma das minhas paixões é a escrita, por isso para mim é um prazer enorme fazer parte desta equipa.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: