PolíticaPortugal

O PS de Costa e os seus desafios

Com 18 anos, a estudar Direito na Universidade de Lisboa, António Luís Santos da Costa, lisboeta, já militava no PS. No decorrer da sua actividade política, Mário Soares foi acarinhando-o. Na verdade, este sentimento nunca deixou de haver. Entretanto, terminando a academia e depois de cargos governamentais, chega à liderança da capital lusa, em 2007, após a saída de Marina Ferreira, pelo PSD. A capital cresceu e o número de turistas aumentou exponencialmente. Reeleito em 2009, com 40,22% dos votos, e em 2013, com maioria absoluta, permanece na autarquia lisboeta.

Porém, o ano de 2014 fica marcado para os socialistas como um ano de divisão e de divergência. Depois das tentativas de penetração na liderança do partido, António Costa consegue vencer António José Seguro, um penamacorense de 57 anos, militante desde os 14, por uma percentagem superior a 70%. Este cenário verificou-se naquelas que foram as primeiras eleições primárias a acontecerem em Portugal. Tudo isto graças à boa vontade de Seguro.

Passaram cem dias e o partido mergulha, permita-se a expressão, “em banho-maria”. De vez em quando, surgem umas propostas de lei para o Parlamento, ou pedidos de revisão constitucional. A alguns meses das legislativas, quando questionado sobre medidas para o governo que deseja constituir, em breve (caso seja eleito), as palavras são poucas, dado o facto de desconhecer se tais medidas poderão ser aplicadas no seu mandato. Além disso, o fim da circulação de carros com data inferior a 2000, ou as declarações positivas sobre o país (aquando das comemorações do Ano Novo Chinês) foram, entre outros, dois acontecimentos marcantes.

No entanto, o ex-secretário-geral do PS apresenta uma visão diferente. Como? Acompanhando a realidade ao pormenor, indo às terras mais recônditas do país, reunindo a sociedade civil nas ‘Conferências Novo Rumo’. Acercando-se das pessoas com dedicação. Conferindo, activamente, a possibilidade de participação dos portugueses em geral na elaboração de um programa governamental (com o Laboratório de Ideias e Propostas para Portugal – LIPP). Fazendo-se acompanhar de especialistas nas mais diversas áreas, que ajudassem a mostrar o grau de aplicação das medidas propostas. No decorrer das primárias, Costa acusou, por múltiplas vezes, indiretamente, Seguro de não saber o que estava a fazer. Chegou mesmo a dizer, no debate da SIC, após a razia do debate da TVI, que o programa que o seu oponente apresentava apenas incluía “seis propostas e meia” novas. Só que, tal como acordado, perdendo as eleições, obtém o lugar e o seu oponente demite-se.

Tendo passado mais de 100 dias, parado, a postura deste novo líder do PS começou a ser diferente. Medidas afluem lentamente à superfície, reuniões com economistas acontecem, conversas com outros partidos se reatam, luzes para um possível Governo se dão…

Porém, ainda se revela muito insuficiente. O partido está em modo de zombie, que começa a levantar-se, ainda que a muito custo. Além disso, este Secretário-Geral não destaca a mudança como Seguro. Há muito a fazer. Conseguirá preparar-se convenientemente para as legislativas previstas para finais de Setembro? Conseguirá mostrar vontade de mudar o rumo do país aos portugueses e às portuguesas? Conseguirá mostrar que consegue seguir em frente, mesmo com todas as adversidades (como a prisão de Sócrates, a gestão da Câmara Municipal de Lisboa…)? E se António José Seguro voltasse? Ficam as questões.

Tags
Show More

Pedro Ribeiro

Nascido em 1996, por terras vimaranenses, tem como principal ocupação os estudos na licenciatura de Ciências da Comunicação. Apreciador das relações Media e Sociedade e Sociedade e Cultura, o seu objetivo passará por se especializar na área do jornalismo. Nesse sentido, conta com várias colaborações, a desenvolver atualmente, de forma simultânea: para o jornal ‘ComUM’, no qual é redator nas secções de Cultura e de Sociedade, para o jornal ‘Académico’, juntamente com a sua participação semanal no ‘Repórter Sombra’, onde opina nas áreas de Sociedade, Cultura e Política. No seguimento desta última área, milita na Juventude Socialista, tendo-se revelado publicamente ativista da candidatura de António José Seguro. Além disso, desenvolve um certo carinho pela sociologia, a que se junta a filosofia e, ainda, uma enorme paixão por viagens.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: