Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CrónicasSociedadeSociedade

A criança extinta

Aquela rua nunca existiu na mente de alguém, apenas no imaginário de uma criança feliz com a sua liberdade. Nenhum canto escapava, nada passava despercebido. Os carros, os poucos carros que acidentalmente entravam numa espécie de portal, eram anunciados por cada ouvido presente nas casas. Altas para uma criança, com dois andares de altura para um adulto, as casas protegiam a rua. Como a realidade não lhe pertencia, as manhãs naquele espaço universal eram maravilhosamente movimentadas. As tardes tristemente envergonhadas. As noites, claustrofóbicas. As casas expulsavam os seus moradores, adultos e crianças, e a rua oferecia o seu conhecimento, a análise da vida, do momento, do passado e do futuro.

A criança, feliz, pertencia aquele mundo. As manhãs, as tardes, as quentes noites do verão imaginário participavam no palco que era a rua e em cada pedaço irregular da sua distância. E assim, a criança tornou-se diferente. Nasceu para ser mulher, mas cresceu para ser feliz naquela rua, curiosa, alerta, a saborear cada pedaço de conhecimento adquirido.

Estas pequenas frases de conto servem para anunciar que estas crianças, estas criaturas, estão extintas. Extinguiram-se com a pressa quotidiana, com o individualismo perpetrado diariamente, com o desaparecimento da curiosidade e da vontade de ser social. Como tantas outras espécies, o homem matou esta criança das décadas passadas. E, como castigo, vive dentro desta realidade sufocante que chamamos rotina quotidiana.

João Miranda

Comunicação e Sociologia como formação, escrita como actividade de lazer. Livros e café, uma boa esplanada e amigos, sol no céu vigilante e viagens. Será difícil levar algo melhor da vida do que isto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Check Also

Close
Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: