Desporto

O poderio de Vettel e Loeb e o lendário Bolt

Os dois pilotos continuam a fazer história no automobilismo. Já Bolt e Phelps fizeram história nos Jogos Olímpicos.

Dois Sebastians (um, de nome, Vettel, e outro, Loeb) continuam a fazer história no automobilismo mundial e foram galardoados, nos prémios FIA (Federação Internacional do Automóvel) como as principais figuras do ano.

Sebastian Vettel voltou a vencer o Campeonato do Mundo de Fórmula 1, desta feita com 281 pontos (contra 278 de Fernando Alonso). O título só se decidiu na última prova, no Brasil, numa corrida emocionante visto que Vettel viu-se envolvido num acidente logo na primeira volta, caiu para último e conseguiu recuperar até ao sexto lugar, suficiente para se tornar no tri-campeão mais novo da história da Fórmula 1. «É fantástico poder levar o troféu de novo para casa. Ganhar o título com a Red Bull Racing pela terceira vez consecutiva é algo que nos enche de orgulho. Foi um ano de altos e baixos e a equipa teve de trabalhar arduamente. Mas, no final, todos fizeram um esforço incrível», relatou o piloto alemão. Veja no vídeo – em baixo – a corrida derradeira que deu a vitória a Vettel.

Já Sébastian Loeb, e o co-piloto Daniel Elena, venceram pela nona vez consecutiva o Mundial de Rallies. O piloto francês da Citroen ganhou oito das treze provas: Monte-Carlo, México, Argentina, Grécia, Nova Zelândia, Finlândia, Alemanha e França. Uma das provas em que não pontuou foi, curiosamente, o Rally de Portugal que foi conquistado pelo norueguês Mads Ostberg (Ford), que beneficiou da desqualificação de Mikko Hirvonen (Citroen). Após um largo período de domínio, Loeb já anunciou que só vai fazer umas corridas em 2013: «Só farei alguns rallies, no próximo ano, visto que também tenho alguns planos com a Citroen para outras disciplinas.»

 Loeb

Ainda no que toca ao automobilismo, os portugueses tiveram uma óptima prestação na principal prova de todo-o-terreno do Mundo, o Dakar. Duas presenças no top-10 final da corrida de automóveis, com Carlos Sousa (em sexto) e Ricardo Leal dos Santos (em sétimo), e, nas motas, Hélder Rodrigues terminou num honroso terceiro lugar. «Terminar o Dakar é sempre algo maravilhoso. E, ficar no pódio, é ainda mais incrível. Existem dois grandes pilotos: o Marc Coma e o Cyril Despres, e é difícil lutar contra eles. Ainda por cima perdi 20 minutos na quarta etapa e mais 20, dois dias depois. Sabia que seria difícil alcançá-los», afirmou o piloto da Yamaha. Para a edição do próximo ano, que começa já no princípio de Janeiro, Rodrigues mostra-se ambicioso, ainda para mais quando sabe que Marc Coma não vai estar presente devido a uma lesão no ombro esquerdo. «Estou muito confiante de que é possível ganhar o Dakar 2013.»

Hélder Rodrigues

Destaque também, em 2012, para António Félix da Costa. O piloto da Dallara/Volkswagen venceu a Taça Intercontinental da FIA no Grande Prémio de Macau em Fórmula 3 e foi eleito o oitavo melhor piloto do ano pela revista britânica AutoSport. Esta prova chinesa acabou por ficar marcada pela falha na exibição do hino nacional, aquando da cerimónia da entrega do troféu e pelo acidente que vitimou outro piloto português – Luís Carreira. Veja nos vídeos – em baixo – os três acontecimentos.

Mudando de disciplina, o ano ficou claramente marcado pelos Jogos Olímpicos de Londres, sendo que aí brilharam duas grandes figuras: Usain Bolt e Michael Phelps. Bolt tornou-se uma lenda ao revalidar o ouro nos 100 metros (com novo recorde olímpico – 9 segundos e 63 centésimos) e, nos 200 metros, um feito que nem Carl Lewis tinha conseguido. O velocista ainda ganhou os 4×100 metros estafetas pela Jamaica. Já Phelps conquistou seis medalhas (quatro de ouro e duas de prata) e alcançou um número impressionante de 22 medalhas em Jogos Olímpicos, um recorde absoluto em natação!

Usain Bolt wins

Por fim, Fernando Pimenta e Emanuel Silva também fizeram história na prova londrina. A dupla portuguesa alcançou a medalha de prata em K2 1000 metros e conquistou a primeira medalha de sempre da canoagem nacional em Jogos Olímpicos. No vídeo – em baixo – pode ver o resumo da prova e as declarações dos protagonistas.

Tags
Show More

Nélio Moreira

Tenho 24 anos e sou mestre em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. A área que mais me agrada é o desporto. Adoro escrever sobre qualquer modalidade, embora dê um maior destaque ao futebol, pelo que o jornalismo desportivo é uma vertente à qual vou estar sempre ligado.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: