AmbienteCiências e Tecnologia

O Lobo Ibérico – Uma história de perseguição

Não faz assim tanto tempo que o uivar do Lobo se ouvia de Norte a Sul do país. Que o digam os nossos avós. Foi a partir da década de 30 que tudo mudou, quando teve início, por todo o território, uma campanha feroz para erradicar esta espécie. Eram tempos difíceis, a morte de uma galinha, de uma vaca, significava fome. Os anos foram passando e as condições de vida das pessoas melhoraram, mas o ódio ancestral pelo Lobo prevaleceu. O resultado está à vista de todos, ou melhor, não está à vista – actualmente o Lobo só existe, praticamente, a Norte do Rio Douro e contínua ameaçado pelo Homem.

Uma relação difícil

DR_oloboibericoumahistoriadeperseguicao3É nas paisagens verdes do Parque Nacional da Peneda-Gerês, Reserva da Biosfera desde 1997, que sobrevivem algumas das 63 alcateias identificadas em Portugal, estima-se que hajam 300 Lobos no país (Espanha tem 1500). Quem cá vem apercebe-se rapidamente da forte ligação das suas gentes a este animal. São as lendas, as histórias, os ditados, os Lobos desenhados nas fachadas das Igrejas, os famosos “cortelheiros” e os fojos. Uma relação secular que em nada tem sido fácil. Francisco Álvares, biólogo e especialista do Lobo Ibérico, sabe disso como ninguém. Há anos que anda por estas terras a estudar o Lobo no contexto sociocultural. “A conservação do Lobo é um grande desafio. Nas áreas urbanas, é considerado uma espécie nobre. Nas áreas rurais, é alvo de conflitos, o que é compreensível. O Lobo mata, fere os animais domésticos. Há um impacto emocional”, refere.

Desde 1988 que a legislação portuguesa penaliza quem mata o Lobo e indemniza os produtores de gado pelos danos causados. É também considerado, desde o início da década de 90, uma espécie em perigo. Isto não quer dizer que a perseguição a este animal seja uma história do passado. Muito pelo contrário.

Helena Rio Maior, faz parte de uma equipa que faz a monitorização do Lobo (colocação de colares GPS) na região do Alto Minho, desde 2006, e não tem dúvidas ao afirmar que 40% das mortes têm o dedo do Homem, “uma taxa de mortalidade tremenda”, diz. Em 20% dos casos, a causa são os tiros, seguidamente os laços (13%) e o veneno (7%). Ainda em Maio deste ano (2014), foi notícia o caso de uma Loba encontrada morta num laço, no Concelho de Monção. Perdas sempre muito dolorosas, para quem como ela segue diariamente os passos destes animais. Até à data todos os casos identificados foram arquivados.

Contrariamente ao que se pensa, “menos de 10% dos proprietários pecuários são atacados, o que corresponde a 1% da comunidade local, uma minoria”, comenta Francisco Álvares. Se os subsídios, as inúmeras associações que têm sido criadas nos últimos anos e o simples facto de ser uma espécie protegida por lei não têm sido suficientes para travar esta matança, o que fazer? Foi o que tentou perceber este biólogo, quando realizou um inquérito junto da população. Concluiu que 10% queriam a extinção da espécie, 60% que o lobo estivesse confinado a reservas cercadas e 5% admitiu que o gado devia ser correctamente vigiado. Na sua opinião, é fundamental “conviver com eles (Lobos) e fazer um esforço para proteger os animais domésticos”.

Um património cultural pouco aproveitado

DR_oloboibericoumahistoriadeperseguicao1 DR_oloboibericoumahistoriadeperseguicao2

Aliás, toda a zona do Parque Nacional da Peneda-Gerês só teria a ganhar com a convivência harmoniosa entre o Homem e o Lobo, garante Francisco Álvares. “O património devia ser mais explorado pelo turismo. Os fojos, por exemplo, são testemunhos únicos da arquitectura da relação do Homem com o Lobo e só existem, no mundo, a Norte da Península Ibérica”.

Os fojos, construídos no meio da serra, com paredes de pedra com dois metros de altura, serviam para matar o Lobo. São de dois tipos: de cabrita (fácil de entrar, difícil de sair), em forma de círculo, a ideia era colocar dentro do fojo uma cabra para servir de isco, e de paredes convergentes, constituídos por duas paredes que convergem para um fosso. Implicavam a mobilização de toda a população – as afamadas batidas populares. Os batedores conduziam o Lobo até ao fojo e este acabava por cair no fosso.

Era também habitual utilizar partes do corpo do Lobo na medicina tradicional, para curar doenças tanto no Homem, como no gado suíno. Na zona de Montalegre, há quem ainda hoje guarde consigo uma gola, pedaço de traqueia de Lobo – “um bem precioso”, dizem. Acredita-se que quem der aos animais, com Lobagueira, água por esta gola ficam curados. A título de curiosidade, patas, caudas e cabeças eram frequentemente utilizadas como amuletos.

Um património que podia também ser aproveitado, aquando a venda da carne de vitela, valorizando a facto de ser uma produto que sobreviveu ao Lobo. Daria outra notoriedade. Para Francisco Álvares, devíamos olhar para o exemplo americano. “As zonas com Lobo nos Estados Unidos da América são bem vendidas pelo turismo. Devíamos fazer o mesmo aqui”.

Um futuro dependente dos subsídios

Os sucessivos cortes verificados no Orçamento de Estado dos últimos anos têm afectado a vida dos produtores de gado. António Cerqueira é um dos produtores descontentes com os atrasos no pagamento dos subsídios, reclama que, se não fizer a substituição imediata do animal morto pelo Lobo, perde o subsídio. “E se não tiver dinheiro para outro animal? Penso muito nos jovens que agora estão a investir na criação de gado. Falam em dois meses, mas levam muitas vezes mais de dois anos a pagar. Atrasado e mal. Estamos na penúria. Só isto não chega”.

A continuar esta situação de atrasos no pagamento dos subsídios, o Lobo Ibérico poderá ser uma vez mais o prejudicado. O passado mostra-nos uma História de perseguição, resta saber o que lhe espera no futuro. “No nosso seio, o Lobo não é bem visto, mas tem que existir”, diz António Cerqueira.

Tags
Show More

Diana Rodrigues

Minhota de gema. Distraída. Aventureira. Gulosa. Crítica. Observadora. Anti rotina. Persistente. Sonhadora. Alguém que vê na evolução um objectivo. A escrita? É mais que uma fuga. É paixão. O jornalismo regional e a imprensa online são os intermediários.

Related Articles

4 thoughts on “O Lobo Ibérico – Uma história de perseguição”

  1. Sempre ouvi os meus avós a falar com respeito acerca dos lobos, porque tinham na mente a ideia que o lobo era um animal selvagem que consumia e destruía o que tanta falta lhes fazia para matar a fome no dia a dia. Até quando queriam “assustar” os mais pequenos para se comportarem ameaçavam ” vem aí o lobo” , e funcionava porque havia o tal respeito que para muitos era mesmo, medo do lobo e do perigo que este representava nas sua precárias vidas. Tenho 42 anos, sempre andei de pequena pelos montes com os meus pais, e nunca cheguei a ver um lobo!
    Concordo com a preservação desta espécie, os animais limitam se a sobreviver… e a lei da vida!

  2. O lobo não é um animal doméstico, nem de estimação! É um animal selvagem, Fernanda Vaz!

    Os lobos chegava a comer crianças, sim, e adultos. Naquele tempo existiam em grande número e atacavam em alcateia.

    A minha avó conta-me como faziam quando à noite uma pessoa tinha de fazer uma caminhada maior: levavam umas pedrinhas determinadas, e quando chegavam os lobos, batiam uma na outra para fazer faiscas, e assim salvarem a VIDA afugentando os lobos.

    Que se faça uma reserva para lobos, acho bem. Mas que se atirem culpas às pessoas que defenderam as suas vidas e as dos seus, acho absurdo!

    Certa reserva de lobos em Portugal, como não há dinheiro para os CIDADÃOS, têm deixado de receber dinheiro dos CIDADÃOS para sustentar os lobos. Por isto, vários lobos uma vez por outra têm fugido e atacado o gado mais próximo. Como a população está alertada, toma os devidos cuidados para evitar que alguma pessoa perca a vida (isto já foi noticiado por um dos canais de TV).

    O “lobo mau” nunca poderia ser o “lobo bom”, apenas por um motivo: não há registos históricos que permitam ao homem conceber com realismo um lobo benéfico, como o é o cão.

    Transformar zonas com lobos em parques turísticos, implica resolver o problema que nem com as reservas de lobos se consegue resolver: e não estou a ver em Portugal os “amigos” dos animais permitirem a criação de um ecossistema onde vivam lobos, viados, e outros tantos animais que se alimentam da caça por sua própria garra.

    Portanto… o problema são os “amigos” dos animais 😛

    Proposta: se fôssemos todos como antigamente, e vivêssemos assim, haveria lobos também.

  3. Concordo consigo Sr. Pedro Oliveira, mas agora os tempos são outros! Sou amiga dos animais mas não fanática se é isso que esta a querer dizer. Na minha opinião se há espécies em extinção devem-se tomar medidas que amenizem a situação. Só isso! Se antigamente vivíamos todos, porque não agora?

  4. Tomei conhecimento que no Parque Nacional da Peneda do Gerês, e poderei apresentar provas, que dão cães como alimento aos lobos. Deveriam de ter vergonha de tal ato, enganam as pessoas, têm funcionários que não são competentes e que trabalham na reserva porque são familiares de outros que lá trabalham. Escondem muitas coisas do que se passa na reserva e ainda pedem fundos, quando usam cães indefesos como alimento. É triste usarem os lobos em prol de interesses, atos covardes e vergonhosos onde os meios não justificam os fins.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: