CulturaLiteratura

O livro da tua vida

Andamos tão habituados a clichés e lugares comuns que, com frequência, em situações caricatas ou de aflição, há o hábito de dizer que “a minha vida dava um filme”.

O cinema tem essa coisa boa de nos mostrar tudo. A nossa imaginação pouco funciona. Aceitamos tudo quanto nos entra pelos olhos e com isso conseguimos rapidamente colocar-nos no lugar do outro.

É fácil falar sobre filmes. Todos vemos o mesmo e não há grande margem para interpretações. Estar sentado cerca de duas horas por filme, é suficiente para nos deixar marcas e memórias.

A literatura anda esquecida nas estantes criadas para guardar livros. Sobre os poetas, escritores, ensaístas pouco se fala. Parcas vezes dizemos que a nossa vida dava um livro.

E porque não apostarmos nisso também? Há quanto tempo não se sentam as mesmas duas horas para ler? Ler é um dos veículos mais rápidos para estimular a imaginação, com a vantagem de nos ensinar a escrever correctamente também.

Vivemos num mundo em que tudo é rápido. Vemos TOP’s de vendas em que raramente está um autor português. Andamos ao sabor da maré, nisto da leitura.

Pegando em dois rápidos exemplos, a Trilogia das Sombras do outro senhor viu uma explosão de vendas há poucos anos. Os capítulos de sexo explícito podem ter levado à elevada procura. Afinal, não é o mesmo que ver pornografia. E, continuando nos lugares comuns, lá fora é que é bom.

Em 1994, Miguel Esteves Cardoso ousou escrever O Amor é Fodido. Com vernáculo duma ponta à outra, inclui também sexo explícito. É um livro apimentado com sarcasmo, ironia pelas 187 páginas que o compõe. Tudo, bem antes de qualquer sombra ou trilogia cinzenta.

Há falta de conhecimento por quem não procura. Há falta de apoio aos escritores nacionais. E tão bons escritores que nos prendem às letras…

Quanto a mim, olhando para a estante que tenho em frente, os meus livros dividem-se entre Miguel Esteves Cardoso, Bocage, Dante, Florbela Espanca, José Saramago, Afonso Cruz, José Rodrigues dos Santos, Jostein Gaarder, Antóine de Saint-Exupéry, Woody Allen, Miguel Torga, Carlos de Oliveira, dicionários, livros infantis, autores nacionais emergentes, Milan Kundera, George Orwell, Eça de Queirós, Antero de Quental, Almeida Garrett (assumo-me como amante da escrita do século XVIII e fascinada com o trabalho escrito – todo ele – de Miguel Esteves Cardoso), manuais de fotografia e de bricolage. Entre eles, há também cadernos em branco que vou preenchendo com tempo, memórias e até cheiros.

Estamos em época de desafios. Deixo-vos um: e se a vossa vida desse um livro? Seria escrito por que autor nacional ou internacional?

A minha deu e os exemplares estão espalhados entre lojas, estantes de amigos e familiares.

Clique Aqui para descobrir o ‘Murmúrio Infinito’, por Sofia Fonseca Costa

Se conseguirem, à vossa medida e tempo, proponham-se a sentar-se e escrever sobre vocês próprios. Uma espécie de diário. O da vossa vida. É esse o livro de que a vossa vida é feita. E todos os dias são perfeitos para começar.

Era uma vez…

Show More

Sofia Fonseca Costa

Nasceu numa quarta feira de Novembro, no ano 1984, mas não gosta de meio termos. Desde que se lembra que quer ser escritora e mãe. Dizem que no canto do seu sorriso mora um arco-íris. Vive para as palavras e afectos. Não gosta de chocolate. É formada em jornalismo e fez teatro durante mais de uma década. Mãe de quatro filhos a quem chama de Soneto. É autora do livro Murmúrio Infinito. Chamam-lhe Sofes Marie.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: