Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
Ciências e TecnologiaTecnologia

Numa rede social

Olá, o meu nome é Maria, tenho 32 anos, moro no número 10 da Rua do Jardim em Vila do Bispo. Sou casada com o João e tenho dois filhos: a Margarida e o Tomás.

A minha casa tem uma cortina com flores do IKEA na janela da sala. No jardim, temos uma árvore florida e três gnomos de jardim.

Hoje vesti uma camisola da Mango azul, umas calças da Zara, um cinto Parfois.

E pronto, é isto! E para os “amigos” ainda está disponível o número de telemóvel e o e-mail.

Imaginem um dia da Maria na rede social, mas sem a rede… Maria acorda, abre a janela com a cortina IKEA e grita para a rua: “Bom dia alegria acordei!!!!” Maria abre o armário e escolhe a roupa, volta à janela e grita: “Maltinha do bairro, o que acham do #ootd (outfit of the day)?” Maria vai tomar o pequeno almoço, desta vez grita na janela da cozinha: “Pessoas lindas, hoje é healthy food o que acham?” Maria vai na rua e alguém lhe pergunta: “Queres saber como serias se parecesses uma estrela de cinema? Para isso só tens de me dar o contacto de todos os amigos da rede pode ser?” “Claro que sim“, diz a Maria. No mês seguinte, Maria vai de férias. “Migos, vou de férias para Tenerife de dia 12 a dia 30! Nesses dias a minha casa fica à mercê de tudo! Mas não se preocupem que vou mandando postais dos sítios onde estiver!

O filho da Maria, o Tomás, anda no colégio X. Para preservar o menino, ele usa uma máscara de smile amarelo ou, às vezes, um coração sorridente colado na cara. Ah, mas a Maria faz questão de gritar, quando sai de casa que vai pôr o menino à escola, no seu carro XPTO, e, claro, a criança está fardada, não tapa o logo do colégio, porque é chique.

O que vos parece a vida da Maria? Ridículo não é? Então, se é ridículo andar na rua a gritar estas coisas, por que fazê-lo no Facebook ou no Instagram?

Actualmente, vivemos das partilhas, do número de likes, da aparência na rede, mas que riscos corremos ao partilhar a nossa vida desta maneira? Por detrás de cada uma das redes sociais estão mil e uma outras coisas às quais fornecemos toda esta informação de forma gratuita.

Muitas dessas coisas certamente não partilhariamos, se nos fossem solicitadas diretamente, então, porquê e para quê fazê-lo desta forma dissimulada. Por exemplo, quando participamos em determinado passatempo, é-nos apresentado um acordo ou uma lista de condições gerais com as quais temos de concordar, normalmente são umas 4/5 páginas de letras pequeninas que, entre outras coisas, dizem frequentemente que os dados poderão ser utilizados para estatística. Ora, se o comum utilizador do Facebook não vai ler este post por ter mais que 10 palavras e nenhum #hashtag, quantos vão ler esses tais acordos?!

Assim e sem darmos conta estamos, de forma perfeitamente legal a concordar com a utilização dos nossos dados por terceiros. Foi exatamente o que se passou com a famosa Cambridge Analítica. É assim que o Google memoriza o que pesquisamos e nos mostra o que queremos ver, ou o algoritmo do Facebook, quando define um feed para cada um, com base no que vimos, no que partilhamos, no que gostamos. É assim que o Instagram nos mostra mil fotos de gatinhos e nenhuma de desastres naturais.

Sempre que, num qualquer site ou rede social, é respondida uma pergunta ou é dada a autorização para ligações automáticas ao perfil do utilizador, devemos ter atenção àquilo que estamos a partilhar, as informações que partilhamos.

Essencialmente e por cliché que possa parecer, estamos mesmo sob vigia, sob escuta, sob escrutínio e somos nós que nos pomos “a jeito”.

A próxima vez que acharmos giro partilhar o nosso almoço ou a ida ao cinema, imaginemos que o faríamos como a Maria, a gritar à janela, será que ainda o faremos?

P. S. para os curiosos recomendo a série “Blackmirror“, principalmente o episódio “Nosedive“.

Tags

Andreia Mendes

Natural de Caldas da Rainha, 35 anos. Licenciada em Educação Social. Mulher, Mãe de dois. Com paixão pelas pessoas, pelas palavras, pelas acções, pelo teatro, pela música e claro pela escrita! Incapaz de compreender algumas injustiças por esse mundo fora, por esse tempo adentro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: