Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
EducaçãoSociedade

No meu tempo…

No meu tempo…

Sinto sempre alguma nostalgia, quando ouço esta frase, faz-me viajar para um passado não muito longínquo, que me traz tão boas memórias. No meu tempo, brincávamos na rua até tarde e bastava um grito das nossas mães para voltarmos para casa sem discussão, sem fincar o pé, sem desrespeito.

No meu tempo, comíamos batatas fritas da Matutano, Bollycaos e Galaks e isso era sinónimo de felicidade, nada mais, nada menos.

No meu tempo havia sempre um “Bolinha”, um “Texugo”, um “Rato” ou um “Piolho” na turma e ninguém se ofendia com isso. Aceitava-se, com um misto de orgulho e vergonha, a alcunha que tinha sido atribuída e seguíamos em frente.

No meu tempo, íamos a pé para a escola, encontrávamos o resto da turma pelo caminho e contávamos o que tinha acontecido no dia anterior.

O novo ano lectivo iniciou-se há uns dias e à semelhança dos anos anteriores era ver os estacionamentos das escolas cheios à pinha com os pais a lá deixar os filhos. A banalidade de ter transporte próprio, que não era tão comum anteriormente, tornou este processo corriqueiro, já que ninguém imagina o seu filho ou filha a ir a pé seja para onde for. Contudo, terá sido só a banalidade da coisa a contribuir para esta mudança?

Julgo que o contributo maioritário, infelizmente, terá sido o medo.

Ousarei dizer que os meus pais não tiveram medo por mim, quando me deixaram ir a pé para a escola, sozinha, quer fizesse chuva ou sol? Não, claro que não! Como qualquer pai certamente temiam por mim, mas a verdade é que a sociedade da minha altura, ainda que já a caminhar para a pobreza de gentes, era melhor. Ou, pelo menos, era menos exposta, que é como quem diz: “olhos que não vêm, coração que não sente.”

Havia raptos, roubos, violações e todas aquelas cenas horripilantes que fazem o coração de uma mãe ter pequenas arritmias só por pronunciá-las, mas o mundo dessa altura não tinha um Facebook Live que nos permite visualizar uma qualquer desgraça a ocorrer, até, do outro lado do mundo, em directo ou um canal de informação 24 sobre 24 horas em que para ouvirmos uma notícia feliz, ouvimos antes 30 infelizes, transformando o nosso cérebro neste lugar sombrio, escuro e perigoso, onde, maioritariamente, são registadas emoções negativas e inconscientemente ligadas aos nossos filhos.

O mundo evoluiu, é um facto, e essa evolução, ainda que com muitos pontos positivos, permitiu-nos também este acesso desmesurado à informação, que nos fez ter medo. Medo por nós, pelos nossos filhos, medo do mundo. E ainda que tenhamos a coragem de colocar crianças neste planeta, a forma como as queremos educar roça sempre bem ao de leve a educação efectivamente dada.

Nenhum pai quer, objetiva e propositadamente, que o seu filho não se saiba defender, que não saiba qual o número do autocarro para casa ou como utilizar o PBX da escola, que se intimide, porque foi chamado de menino do papá, ou que chore, porque se perdeu e não sabe pedir indicações,  mas quais serão as consequências da super-protecção dada a estas crianças em que todo e qualquer progenitor não faz mais, porque não pode, senão estas?

Todos queremos o melhor para os nossos filhos, dúvidas houvessem relativamente a esse assunto, e, por isso mesmo acabamos por criar uma geração de alienados da realidade e do mundo, porque, no fundo, optamos por educá-los super-protegidos, mas com a certeza, porém, que enquanto eles não trocam os passos pelas asas, controlamos o seu caminho.

Tags
Show More

Susana Correia

Auto-didacta que sempre teve na escrita a sua melhor forma de comunicação. Acredita que tudo acontece por um motivo, na força e no poder do pensamento e em energias positivas e negativas. Sabe que o amor é a resposta, independentemente da pergunta, e quando lhe perguntam qual é o seu, responde, sem hesitar, que é a filha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: