Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
ContosCultura

Matar o passado

Enquanto espalhava as cinzas no mar, a raiva fugiu com o vento. Uma calma imensa nas mãos, na pele, nos pés. Uma fraqueza nas pernas, de tanta calma.

Tinha acabado.

Reconfortou-se ao pensar que a morte poderia apagar passados. Talvez existisse a memória, mas agora a continuidade daquele passado, um suposto presente e um suposto futuro, tinham deixado de existir. O fio estava quebrado. Nada mais sobrava.

Nada mais sobrava.

Se ignorarmos a história e se nada nos ligar ao passado, ele morre com a pessoa que matamos. Morrem os dois, as cinzas são atiradas ao vento, e nada mais há. Só calma e esquecimento. Nova vida. É simples. Tinha sido simples.

O corpo já nem tinha mazelas, as nódoas negras tinham ficado amarelas e tinham acabado por desaparecer. Os cortes tinham sarado numa cicatriz tão rosada que se confundia com os lábios e com a pele. Os ossos partidos já estavam todos curados e de volta ao sítio. Estava nova e plena. A força bruta da língua e das mãos dele, e depois o veneno nas veias, nos órgãos, nos olhos. Veneno necessário. Veneno que era uma borracha de pessoas, um corretor de pretéritos. Tudo longe, tudo inexistente. Porque ao apagar aquela pessoa, tinha apagado tudo o que aquela pessoa tinha feito e tinha sido. Como uma memória a desaparecer, como areia a cair entre os dedos, como a Sara bíblica de sal que tinha sido levada pelo vento e pelas tempestades. Não havia campa, nem família, nem nome.

Apertou a mão da filha com força.

Tranquilidade.

O monstro que lhe batia, nunca existira. A filha olhava-a, atenta, na expectativa de saber se o monstro que espreitava na escuridão voltaria. Não, amor, não. Aquele monstro não voltará a invadir-te os lençóis.

Tags

Rosa Machado

Por ser curiosa e fascinada pelo que não compreendo, considero-me uma devoradora de livros e uma criadora compulsiva, seja de contos no papel ou de histórias mirabolantes no dia-a-dia. Adoro animais, fotografia, música e filmes – arte em geral. Perco a noção do tempo com conversas filosóficas sobre nada, longas caminhadas para parte nenhuma, conversas exageradas com os amigos, e séries com ronha no sofá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: