PersonalidadesSociedade

Letras no Feminino: Florbela Espanca

A poetisa da charneca alentejana em flor nasceu em Vila-Viçosa, no dia de Nossa Senhora da Conceição, em 1894. O seu nome de baptismo é Flor Bela Lobo, sendo filha de João Maria Espanca e de Antónia da Conceição Lobo. Seu pai, republicano e sapateiro, depressa deixara esta profissão para trabalhar como antiquário e negociante de cabedais. Fora também pintor, fotógrafo e cinematografista. Era casado com Mariana do Carmo Toscano, estéril. Do caso extraconjugal de João com Antónia nasceriam dois filhos ilegítimos: Florbela e Apeles. Embora registados como filhos de pai incógnito, são criados por João Espanca, tendo Mariana do Carmo sido a madrinha de baptismo de ambos. João só reconhecia a sua filha como legítima 18 anos, após a sua morte.

Logo durante a instrução primária, começou a escrever algumas composições poéticas, que assinava como Flor d’Alma da Conceição.

Em 1907, morreu a sua mãe, ano em que Florbela ingressa no Liceu masculino André de Gouveia, em Évora, concluindo-o em 1912. É nesse período que contacta com algumas das grandes obras da literatura mundial, sendo utilizadora da Biblioteca Pública de Évora.

No ano seguinte, casa-se com o seu antigo colega liceal, Alberto de Jesus Silva Moutinho. Habitaram inicialmente uma casa no Redondo, mas,PU_florbelaespanca_1 três anos depois, acabam por se mudar para a casa paterna de Florbela, por alegadas dificuldades financeiras, embora acabando por regressar ao Redondo. É nessa altura que começa a seleccionar alguns poemas, numa colectânea de 85 poemas e três contos, que não consegue publicar. Em 1916, inicia a sua carreira jornalística, no suplemento Modas & Bordados, do jornal O Século, e nos jornais eborenses Notícias de Évora e A Voz Pública. Em 1917, regressa a Évora para completar o 11º ano do Curso Complementar de Letras, tendo-se matriculado posteriormente na faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Passado um ano, sofreu um aborto involuntário, que teve repercussões na sua saúde, obrigando-a a repousar, escolhendo vila de Olhão para o fazer.

No ano seguinte, edita o seu primeiro livro de Poesia: Livro de Mágoas. Os 200 exemplares esgotaram-se rapidamente.

Em 1920, embora ainda estando casada, Florbela abandona o seu lar, para viver com o alferes de Artilharia da Guarda Republicana António José Marques Guimarães. Em 1920, interrompe o curso de Direito e, no ano seguinte, já divorciada do primeiro marido, casa com António Guimarães, estabelecendo-se no Porto, até à transferência deste para Lisboa, para servir como chefe de gabinete do Ministério do Exército.

A sua actividade poética continua. Publica um poema dedicado a Raul Proença, na revista literária Seara Nova, e publica o seu segundo livro de sonetos: Livro de Sóror Saudade. Começa igualmente a dar aulas particulares de português. Todavia, a nível pessoal, a sua vida sentimental sofre um novo revés, divorciando-se também do seu segundo marido. Nesse mesmo ano, casa com Mário Pereira Lage, médico, com quem privava desde 1921 e coabitava desde 1924. O casal casa em Matosinhos, cidade que os acolhe.

Em 1927, começa a sua colaboração no jornal calipolense D. Nuno e prepara a edição do seu terceiro livro de poemas, Charneca em Flor, e do livro de contos O Dominó Preto, que, no entanto, só seriam publicados postumamente. Nesse mesmo ano, o seu irmão Apeles, de quem era muito próxima, sofre um trágico acidente de aviação, que o vitima, agravando a saúde mental de Florbela, que no ano seguinte tenta o suicídio pela primeira vez. Ainda assim, a sua actividade literária continua. Escreve um conjunto de contos dedicados ao irmão, As máscaras do destino, inicia a escrita do seu diário, corresponde-se com Guido Battelli, professor italiano na Universidade de Coimbra, responsável pela edição de Charneca em Flor, e colaborando na imprensa periódica nacional: Portugal Feminino, Civilização e Primeiro de Janeiro.

A ideia do suicídio não ficara, todavia, para trás. O diagnóstico de um edema pulmonar fá-la tentar cometer o suicídio por outras duas vezes, sendo-lhe fatal a última. Morria em Matosinhos, no dia do seu trigésimo sexto aniversário. Os seus restos mortais repousam, desde 1964, em Vila Viçosa.

Tags
Show More

Pedro Urbano

Nasceu em Lisboa em 1979, tendo frequentado o antigo Liceu de Setúbal. Licenciou-se em História pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e é actualmente doutorado em História pela mesma Universidade, onde também concluiu o mestrado em História Contemporânea.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Check Also

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: