CulturaMúsica

Interpol e o Labirinto das Emoções

Poucas são as bandas que se podem gabar de serem odiadas por serem tão boas. Os Interpol, com as suas composições com um ritmo de persistentes repetições e uma sonoridade fria e sombria, conseguiram ultrapassar as comparações constantes aos Joy Division e atingir esse lugar .

Podiam ter-se chamado Las Armas ou The French Letters, mas o quarteto nova-iorquino acabou por se decidir por Interpol. O grupo começou a ganhar forma na mente de Daniel Kessler, que, com a sua vontade de formar uma banda que criasse boa música, em 1998, seleccionou todos os membros fundadores dos Interpol: Greg Drudy, na bateria (que acabaria por sair, sendo substituído por Sam Fogarino), Carlos Dengler, no baixo, e Paul Banks, como vocalista e letrista. Depois da habitual tournée por vários bares de Nova Iorque e de lançarem alguns Ep’s, a sonoridade da banda depressa conquistou uma fiél base de fans e um contrato com uma editora, a Matador Records, em 2002. É sob a alçada desta editora que os Interpol lançam o seu primeiro trabalho, Turn the Lights, que os afirmou como uma das melhores bandas rock a surgir no movimento pós-punk. O peso das emoções que era transmitido de faixa para faixa, atingindo uma íntima catarse, e a fusão que existia entre todos os instrumentos e a voz grave de Banks, que canta com urgência as palavras que a sua alma necessita de libertar, evocam um sentimento puro, inquieto, com uma simultânea serenidade. Por vezes, torna-se complicado absorver toda a emotividade presente em todas as músicas e é precisamente este desafio que tornou este álbum tão cativante, garantindo-lhe o disco de Ouro.

Aproveitando a capitalização do sucesso que tinham conseguido com o primeiro álbum, lançam, em 2004, Antics, álbum que, habilmente, desprendeu-se da antecipação e das expectativas geradas e construiu-se como uma forte colecção de singles, onde existe uma resignação pujante patente em todas as músicas do álbum. Dando, assim, um excelente seguimento à tristeza emocional de Lights, enquanto mantinha uma sonoridade fiel ao que os fãs identificavam como sendo a da banda.

Com a chegada de 2007, chegam muitas mudanças. Assinam contrato com uma grande editora, a Capitol Records, e lançam o seu terceiro trabalho de originais, Our Love to Admire, que viria a tornar-se no seu álbum mais bem sucedido, estreando-se no Top 10 em dez países. Nele mantém-se o ambiente negro e pesado que tanto caracterizou os seus trabalhos anteriores e constrói-se em seu torno mais camadas, com a adição de instrumentos de sopro, teclas e acordes de guitarra mais complexos. Criando, desta forma, uma expressão musical que os Interpol ainda não haviam alcançado. As tournées esgotavam-se e, durante três anos, Our Love foi o som dominante nas rádios de Rock, até que os Interpol decidem lançar um álbum homónimo, em 2010. De regresso à Matador Records, o quarteto nova-iorquino reuniu-se no antigo estúdio de gravações de Jimi Hendrix, de onde saíram novas sonoridades com a experimentação nos teclados, iniciada em Our Love to Admire. ”Não nos queremos repetir e, ao mesmo tempo, queremos manter uma linha que nos identifique. Isso é um desafio enorme: tentarmos manter a nossa identidade, mas alterando-a o mais possível”, afirmou Sam Fogarino ao IOL Música, antes do primeiro concerto de em Coimbra.

Contudo, mesmo antes do álbum chegar às lojas, o baixista Carlos Dengler anunciou a sua saída da banda. “Não foi uma surpresa, porque já discutíamos essa possibilidade há algum tempo. O Carlos quer muito ir para outros sítios, explorar em novas possibilidades fora da banda, da música e isso faz todo o sentido”, contou Daniel Kessler.

Depois de um longo hiato, “All The Rage Back Home” marca o retorno dos Interpol e dos seus versos abertos e das interpretações variadas, misturados com a sua sonoridade altamente orquestrada e com o movimento cíclico de harmonia e da melodia das canções, que conseguiram conquistar a esta banda um lugar como uma das bandas de culto mais seguidas do planeta.

Tags
Show More

Miguel Arranhado

licenciado em ciências da linguagem, pela faculdade de letras da universidade de lisboa. editor no repórter sombra. amante das artes e da cultura. politólogo de sofá. curioso por natureza. fascinado pelas pessoas e pelo mundo. crítico. perfeccionista. maníaco por informação. criativo. e assim assim…

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: