SociedadeSociedade

Hoje, não. Amanhã, talvez

Hoje, não.

Hoje não temos tempo para que sentimentos surjam, nasçam e renasçam.

Hoje, não.

Ontem, também, não houvera tempo suficiente para tal luxo.

Amanhã, talvez. Amanhã haverá tempo. Hoje não.

O tempo urge, o tempo apressa-se.

Há planos a cumprir, há objectivos a honrar, há desejos e anseios por realizar. Sonhos pragmáticos e reais espreitam pela clarabóia.

A palavra e os compromissos que nos dão crédito no dia-a-dia devemos cumpri-las, honrá-las e, por isso, não temos tempo para que sentimentos se transformem em distracções. Não podemos nem conseguimos dar-nos a esse luxo.

Existe o trabalho e a subsistência robótica e plastificada da devida presença no mundo. Há responsabilidades e a incumbência inerente da própria realidade formatada. Existem dívidas e dúvidas existências que devemos ouvir e focar-nos. Ser práticos, ser metódicos e racionais. Ser rápidos. Não temos tempo para sentir, não há tempo a perder.

A máquina gigantesca na qual nos tornamos não pode nem deve parar. O turbilhão e a azáfama dos dias de hoje insistem para que as engrenagens estejam lubrificadas para que o círculo vicioso e artificial funcione devidamente.

No entanto, quando o mecanismo começa a ficar frágil e vulnerável e, nesse momento, permitimos que a falha proceda, aí, apenas aí, conseguimos sentir novamente. Tornamo-nos humanos e não zombies formatados para a rotina a que nos sujeitamos.

Contudo, a máquina não pode ser lubrificada por qualquer género de sentimento porque não há tempo. Temos de manter o foco na realidade. Não podemos concentrar-nos em quadros abstractos, filosóficos e líricos.

Não podemos, nem devemos e, no fundo, ninguém quer saber.

E se, por algum instante, invertermos a realidade com uma volta de 180º?

Olha para o lado e diz que amas.

Diz, em voz alta, o que sentes. Ainda te lembras como se sente?

Verte uma lágrima e não te arrependas.

Grita a plenos pulmões.

Abre o pórtico e deixa entrar esses sentimentos que pairam e dos quais insistes em repelir.

Pinta um novo quadro.

Porém, não há tempo. Amanhã, talvez.

Tornamo-nos escravos do nosso tempo. A fuga e a debandada desde de manhã até a noite faz com que deixemos os sentimentos e emoções guardados na mesa-de-cabeceira. A bengala da vida deixou, há muito, de ser qualquer sentimento, afecto ou emoção. A vida que escolhemos toca a música que pretende e, por obrigação inconsciente, devemos dançá-la. Não há escolha, não há opções. E neste entretanto, ficamos com tanto para ceder e para ceder-nos.

Basta querer. Queres?

Amanhã, talvez. Hoje não temos tempo.

O Homem está sonolento, está robótico. Está automatizado para usar o escudo que nos impede de passar a fronteira e de nos humanizar. Sentir, hoje em dia, é um luxo. Um luxo que poucos se permitem a desfrutar do seu real sentido da palavra.

A grande maioria de nós está demasiado ocupada com o trabalho e com o que se passa com a sua vida para parar e vivenciar genuinamente os seus sentimentos. Ou estamos dormentes ou com demasiada pressa para sentir algo.

Qual é a importância de sentirmos?

Há quanto tempo não sentes? Há quanto tempo não te permites a tal?

Deixemos as emoções surgirem como um carrossel desenfreado. Deixemos os sentimentos balançar no vácuo da nossa vida e empregar-nos genuinamente.

Mas hoje, não. Amanhã, talvez.

Tags
Show More

Rita Morais de Oliveira

Sem apresentações hollywodianas, nasci em 1988 no Nordeste Transmontano, Portugal. Encontrei o meu habitat na escrita desde que comecei a ler e a escrever. Nos meus tempos livres, além de Freelancer de Conteúdos, também sou uma aspirante escritora em (eterna) construção e contra o Novo Acordo Ortográfico. Com um conto policial publicado - Doce Sentença -, outro em execução para uma Antologia Policial e um livro em criação, todos dentro do mesmo género literário. Como o nosso velho amigo Albert Einstein disse: "Criatividade é inteligência divertindo-se."

Related Articles

One Comment

  1. Um olhar clínico sobre o homem e o tempo. Tudo nos consome na velha engrenagem da sociedade gradualmente racional e depressiva. Falta-nos tempo para as emoções e de forma inconsciente vamos adiando, rir, sorrir, chorar, emocionar. Parabéns pelo texto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Check Also

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: