Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
CulturaMúsica

Hip-hop: mais do que música, uma cultura que educa e muda mentalidades?

Actualmente, o hip-hop é vítima de uma certa marginalização, tal como nos seus primórdios, a que se junta a imagem de produto altamente comercializável e alvo de pirataria frequente nos meios cibernéticos, estando desentendida a sua história. Nesse sentido, Quincy Jones, reconhecido compositor, à revista Fortune, afirma ter criado um projecto designado de ‘Playground Sessions’, mencionado à entrevistadora Michal Lev-Ram: “tu queres ver as crianças concentrarem-se na música em vez de lutarem entre si”; mais indica que “os americanos não sabem as fontes da sua música, desde o bebop ao doo-wop, e, até mesmo, ao hip-hop”. Tentando perceber, contudo, a sua história mais as suas dinâmicas, questione-se, assim: consegue o hip-hop educar e mudar mentalidades?

As mais recônditas origens deste género da música remontam a 1925, com um dance performer do ‘Cotton Club’, nos EUA. Este dançarino terá introduzido movimentos inovadores, muito parecidos à realidade actual, originando um estilo que se veio a designar de breakdance. Com algumas inovações e tentativas de demonstração deste tipo de sonoridade juntamente com o surgimento do conceito de Disco Jockey (DJ), Clive Campbell, mais tarde Kool Herc, anima, pela primeira vez, uma festa, ficando conhecido como o “pai do hip-hop”.

O verdadeiro nome desta corrente musical começou a consolidar-se nos anos 70, juntamente com o surgimento do rap. Entretanto, no meio de vários, Michael Jackson com novos ritmos musicais no pop e novos passos como o ‘moonwalk’ ou o ‘jam’, assim como Flo Rida ou Snoop Dogg influenciaram a maneira de ver o hip hop e “catapultam-no para as luzes da ribalta”. Pelo século XXI, nomes como Eminem, Jay-Z, Kanye West ou, mais recentemente, Nicki Minaj dão uma nova marca a este género musical. A não esquecer o facto da comunhão cultural ter existido, num circuito onde se transmitiam realidades ou onde se partilhava uma gíria, o que permitia um destaque pela diferença na sociedade em que se inseria.

Vejamos alguns casos actuais ligados a projectos que mostram como é possível contornar-se uma vertente mais lúdica com o hip-hop.

No caso português, deve ser tida como recurso uma reportagem levada a cabo pelo jornal Público, mais precisamente pelo ‘Ípsilon’. Em 2002, Vítor Belanciano intitulava-a ‘O hip-hop é a vida deles’. Conversando com D-Mars, mentor do grupo musical Irmandade, o nascimento deste tinha “o intuito de dar uma mensagem de união às novas gerações do hip-hop”. Tendo lançado o seu primeiro disco, na dita altura, nomeado de ‘Rapública’, o mesmo artista afirma, ainda: “tem a ver com a língua, com a compreensão daquilo que se diz. Existe uma identificação ao nível do imaginário. Tento que aquilo que digo faça sentido para outras pessoas”.

Pelo P3, suplemento daquele periódico, é de destacar outra reportagem, datada de 2014, da autoria de Ana Cristina Pereira, realizada no âmbito do programa radiofónico da ‘RadioActive 101’, cujo alvo são três projetos do ‘Escolhas’. Trata-se de uma iniciativa de carácter governamental, que visava, cite-se a mesma fonte, “a inclusão dos jovens”, bem como “incitar a reflectir, mas também a vencer a impaciência, a estabelecer metas de médio ou longo prazo”, em que o lema, cantado em coro, era: “Se tens educação, põe a mão no ar/com esta canção, só te queremos educar”.

Anteriormente, recorri a um pequeno relato da evolução do hip-hop. Quando tentou ser lançada a questão cultural, foi feito com o intuito de trazer aqui um tópico para discussão. Desta forma, reutilize-se a pergunta introdutória deste artigo: consegue o hip hop educar e mudar mentalidades? Para este efeito, atente-se em dois casos: o gangsta rap e o battle rap.

Foco noticioso do mundo do rap e do hip-hop, o websiteabout.entertainment’ aponta por volta de 1983 a época em que o rapper Ice T foi o pioneiro no estilo gangsta rap. No mesmo sítio, pode ler-se que “o gangsta rap circula em torno de letras de teor agressivo e batidas trunk-heavy” e que “reflecte estilos de vida violentos e de jovens carenciados do meio urbano”. Devido a uma certa agressividade musical, as condenações começavam a tornar-se frequentes, pois “os rappers defendiam-se, frequentemente, dizendo que descreviam as suas vivências e não que as promoviam”. Com batidas comerciais, passou a ganhar um estatuto de relevância no mercado, com o cantor Notorious B.I.G e o seu produtor Puff Daddy, tendência que ganhou ainda mais importância com o suceder dos anos.

Sucintamente, o battle rap tem como objectivo a competitividade dentro da própria cultura hip-hop, quer grupal quer individual.

Depois de apresentar os casos portugueses que pegam nas influências desta linha musical, assim como em dois subgéneros do rap, devem reter-se alguns aspectos. Primeiro, a união; retirando a essência unitária grupal originária dos EUA, atinge-se uma visão de educar para a união com a cultura hip-hop, encaminhando vários projectos com propósitos lúdicos e de cidadania. Segundo, a reflexão; recorrendo a mecanismos mais usuais, ligados a um certo grupo massificado de apreciadores desta circunscrição cultural, torna-se possível compor letras fáceis de compreender, logo, acessíveis à generalidade das pessoas, começando nos mais novos. Terceiro, a concentração; visando uma maior adesão, uma maior educação, promover-se-á uma nova forma de olhar a música e, mesmo, uma nova forma de ver a vida e o mundo.

No projecto ‘Escolhas’ associado à ‘RadioActive 101’, existe resultados bem-sucedidos. Veja-se, por exemplo, na melhoria do desempenho académico: “a estrela [de mais uma emissão] é Rodrigo Florim, o menino de 13 anos que tem cinco em todas as disciplinas.”

Em suma, embora necessite do seu tempo e da sua adaptabilidade, o hip-hop consegue educar e mudar mentalidades. Com toda a descrição de visões mais antigas e mais recentes, verificou-se que o hip-hop se classifica como uma cultura, sendo o rap um símbolo de distinção social, mais do que um mero conjunto de produtos cantáveis e atractivos. Além disso, mostra-se igualmente como educar e mudar mentalidades pode ser possível nos meios mais massificados.

Tags

Pedro Ribeiro

Nascido em 1996, por terras vimaranenses, tem como principal ocupação os estudos na licenciatura de Ciências da Comunicação. Apreciador das relações Media e Sociedade e Sociedade e Cultura, o seu objetivo passará por se especializar na área do jornalismo. Nesse sentido, conta com várias colaborações, a desenvolver atualmente, de forma simultânea: para o jornal 'ComUM', no qual é redator nas secções de Cultura e de Sociedade, para o jornal 'Académico', juntamente com a sua participação semanal no 'Repórter Sombra', onde opina nas áreas de Sociedade, Cultura e Política. No seguimento desta última área, milita na Juventude Socialista, tendo-se revelado publicamente ativista da candidatura de António José Seguro. Além disso, desenvolve um certo carinho pela sociologia, a que se junta a filosofia e, ainda, uma enorme paixão por viagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: