CulturaCultura

Guimarães 2012: A celebrar a cultura

Há já nove meses que a cidade minhota de Guimarães partilha com a metrópole eslovena de Maribor o privilégio de figurar na lista das Capitais Europeias da Cultura. Esta é a terceira vez que o território luso é palco da iniciativa da União Europeia que, neste ano de 2012, comemora 27 anos a celebrar a cultura europeia.

Com actividades para todas as idades e públicos, dentro e fora de quatro paredes, desde a música ao teatro, passando pelas artes plásticas e pelo cinema, a ‘Cidade Berço’ tem granjeado as dezenas de milhar de visitantes que por lá já se fizeram passear com celebrações culturais inéditas, irreverentes e originais.

O desempenho da orquestra “Operação Big Bang”, a maior composição instrumental alguma vez criada em território português, foi a última grande atracção na cidade do minho. Composta por mais de 300 músicos de várias nacionalidades, a orquestra uniu o amadorismo ao traquejo dos músicos mais experientes. Ao espectáculo de música assistiram cerca de 5 mil curiosos, que abandonaram o recinto a trautear as orquestrais proclamações a Guimarães.

Apesar da cidade vimaranense, que este ano se juntou a Lisboa e ao Porto no rol de Capitais Europeias da Cultura, reunir o consenso de uma crítica positiva à forma como decorre a promoção cultural, o mesmo não pode ser dito quanto à gestão financeira dos fundos comunitários.

A organização acumulou dívidas na ordem dos 2,5 milhões de euros. Fornecedores e artistas que desde o início do ano participaram nos eventos da capital da cultura portuguesa denunciaram a falta de pagamento, o que poderá mesmo fazer com que a marca Guimarães 2012 incorra em incumprimento contratual e acabe, assim, na barra dos tribunais. Com efeito, a grande maioria dos contratos assinados entre a organização e os prestadores de serviços antevia um pagamento prévio de metade da verba acordada antes do evento, sendo o restante liquidado no dia de estreia.

João Serra, presidente da Guimarães 2012, justificou a inércia dos devidos pagamentos com a falta de movimento monetário por parte do QREN (Quadro de Referência Estratégico Nacional), que estaria em atraso na reposição de verbas para os cofres da Capital Europeia da Cultura, admitiu em Agosto João Serra. Por esta altura, a organização já garantiu que a tesouraria está agora em condições de liquidar todas as dívidas contraídas, de agora em diante devendo igualmente pagar aos fornecedores e criadores em tempo útil.

Polémicas à parte, as celebrações prolongar-se-ão até Dezembro, conforme é apanágio da iniciativa da União Europeia. Ao promover durante o período de um ano as metrópoles europeias a Capitais da Cultura, dá-se primazia à homogeneização do conhecimento cultural da Europa a 27.

Tags
Show More

Jordana Nicolau Costa

“The greatest pleasure of writing is not what it’s about, but the inner music that words make” – Truman Capote

Related Articles

2 thoughts on “Guimarães 2012: A celebrar a cultura”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: