Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
SociedadeSociedade

Género: Parvo

Maria e Bernardo

Ele e ela

Um casal

Chiça! Isto assim é mesmo difícil. A cultura do género e do sexismo está mesmo enraizada em mim. Vou recomeçar. Com calma. Eu consigo. Sou mais forte que todas estas formatações de géneros.

Duas pessoas aguardam ansiosamente que o pequeno ecrã do aparelho se ilumine e lhes mostre a amálgama imperceptível de membros e órgãos da pessoa pequenina que uma das pessoas alberga no abdómen.

A médica é detalhada e minuciosa, percorrendo todo o abdómen em latitude e longitude, sorrindo para consigo, porque a pequena pessoa “é malandreca e não pára quieta”.

– Querem saber o sexo?

– Não, não! – exclama o progenitor número 1.

– Não queremos que a nossa criança tenha qualquer formatação imposta por um género. Para nós e para o mundo é só uma pessoa. Uma pequena pessoa. – explica o progenitor número 2.

– ….

– Queremos que seja livre e que escolha por si o género que a fará mais feliz. – prossegue o progenitor 1.

– Mas… A diferenciação por género não tem nada a ver com a diferença de sexo… – intervém aturdida a médica.

O progenitor 2 continua:

– Mas essa desigualdade começa a partir do momento em que lhe dizemos que é menino ou menina. Aí estamos já a impingir-lhe uma série de preconceitos e estigmas que não queremos que sinta e que já estão ultrapassados.

– Não precisamos de um príncipe num mundo encantado ou de uma princesa num mundo azul. Só queremos que a pequena pessoa seja feliz e livre. Sem masculino ou feminino. Sem diferenças e todos iguais.

A médica – ou simplesmente a pessoa de bata branca numa linguagem mais correta e sem sexismo – inspirou profundamente, sorriu, prosseguiu com o exame e concordou:

– Sabem que mais? Os senhores é que têm razão. Para quê príncipes ou princesas quando podemos ter o bobo da corte?

Tags

Andreia Santos

Parva a tempo inteiro, blogger nas horas vagas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back to top button

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker
%d bloggers like this: